Conversa com Marilia Velardi - Pensando Qualitativamente

09/04/2018 14:00
NuSom - Núcleo de Pesquisas em Sonologia e a  SONORA - Música e Feminismos convidam para o evento:
 
Resumo:

Com esse encontro a minha ideia é propor um diálogo sobre o que significa “pensar qualitativamente” no campo das pesquisas acadêmicas, partindo da premissa de que o método - concebido como forma de pensamento e ação - determina a nossa relação com os objetos, os campos, as experiências, os experimentos ou as coisas que investigamos. No campo das Artes, algumas vezes, o método subordina o pensamento e a ação das pessoas artistas à normas procedimentais alheias ao campo e ao modo original de pensar e conceber a investigação. Creio que isso pode atar a pesquisa acadêmica nas Artes ao que denominamos “camisas de força epistemológicas”. Nesta conversa proponho que iniciemos um percurso dialógico e reflexivo sobre a nossa posição acerca disso.
 
Bio:
Sou professora na Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP) nos curso de graduação em Educação Física e Saúde, no Ciclo Básico e também sou docente e orientadora no Programa de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política. Na Escola de Comunicações e Artes (ECA/USP) atuo como docente no curso de bacharelado em Música e no programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas. Como professora e pesquisadora volto minhas atenções para as investigações qualitativas e radicalmente qualitativas em Saúde e nas Artes. No campo da saúde os estudos que conduzo dirigem-se, especialmente, aos programas e intervenção no serviço público de Saúde, na perspectiva do ideário da Promoção em Saúde e na Educação para a autonomia. No campo das Artes eu proponho intervenções, performances, encenação e projetos de pesquisa e investigação na área artística junto a cantores líricos e instrumentistas, desenvolvendo práticas e estudos sobre preparação corporal para a encenação e criação em ópera. O lócus dessas investigações tem sido o NUO-Ópera Laboratório. Realizo pesquisas colaborativas com grupos do campo da Saúde, da Educação, das Artes da Cena, da Musicologia e dos Estudos Sociais. Coordeno o Grupo de Estudo e Pesquisa ECOAR - Estudos em Corpo e Arte, que atualmente tem como focos: (a) a construção de conhecimento com artistas sobre a Arte; (b) a busca por epistemologias artísticas como suporte para as investigações qualitativas e (c) a criação de estruturas de performances dos dados ou dos conhecimentos produzidos nas investigações.