Notícias

A Escola de Arte Dramática (EAD) da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP) apresenta

“RESPOSTA AO CAPATAZ”

SINOPSE

É uma peça-resposta feita por corpos variados. Nossos corpos de agora respondem como observadores e fazedores de um tempo à prática e à imposição de um pensamento colonial existente ainda hoje nos discursos e ações. Tivemos como ponto de partida a leitura da carta Mundus Novus escrita (talvez) por Américo Vespúcio e impressa (talvez) em 1503 em Paris. Uma carta apócrifa, porém oficial, que funda o projeto colonial batizando a América como um mundo exótico, explorável e sexualizado. Com uma narrativa repleta de exageros, charlatanismos, contradições e paradoxos, da carta pulam corpos. Corpos despedaçados obrigados a fazer parte de um jogo entre verdade e mentira, ou melhor, entre verdade e dor. O irônico e, porque não dizer trágico, é que uma das definições do nome Américo se refere aquele que é, tanto o dono da casa, quanto o dono do trabalho, aquele que manda fazer, ou o capataz.

Em nossa resposta somos corpos-territórios, corpos-escapes, corpos-falantes, corpos-colonizados e invasores, corpos-resistentes, corpos-imaginadores que tentam assumir o irreconciliável. A poética da cena se estabelece pela materialidade do movimento em grupo (o que chamamos de micro-mundos), pela invenção de pontos de vista (o que chamamos de sombras) e pela lógica das palavras não lineares, onde a lucidez se faz pelo embaralhamento de sentidos e pelo acúmulo de assuntos (o que chamamos de boca-ação) expandindo as possibilidades de montar, demolir e reinventar dramaturgias ou respostas. A trilha da peça foi criada a partir da construção de objetos sonoros que produzem padrões musicais autônomos gerando polirritmias e harmonias imprevisíveis estabelecendo, dessa forma, uma musicalidade específica que age como um elemento de composição dramatúrgica. Nossa resposta, portanto, é feita com articulações transitórias de sentidos que ressignificam a provocação do mundo em nós e do presente manifesto que, com urgência, se deflagra.

FICHA TÉCNICA

Criadores: Todas e todos

 Direção Geral: Kenia Dias e Ricardo Garcia

Elenco:Turma 67 -  Carlos Augusto de Andrade, Carolina Borelli Bernardo, Ediana Silva Souza, Guilherme Zanella dos Santos, Igor Armucho de Alencar, José Welington Landim Filho, Juliana Lourenção, Lucas Corbucci Caldeira Nasi, Lucas Gabriel Wickhaus, Monalisa Evangelista da Silva, Mônica Augusto da Silva, Palomaris Mathias Manoel, Paulo Gonçalves Batista, Vanessa Balsalobre Trevizan, Vinicius Albano de Sousa, Wesley Monteiro de Almeida

Assistente de direção e preparação de elenco: Ana Paula Lopez

Colaboração dramatúrgica: Lara Duarte

Dramaturgia: Kenia Dias e Turma 67

Direção de arte (luz, figurino, espaço cênico) e trilha sonora: Ricardo Garcia

Direção de movimento, cena e preparação de elenco: Kenia Dias

Colaboração no trabalho de voz: Mônica Montenegro

Pesquisa textual: Discurso sobre o Colonialismo de Aimé Césaire, Crítica da razão Negra de Achille Mbembe, O Mundo e meu trauma de Jota Mombaça, Bestiário e discurso de gênero no descobrimento da América e na colonização do Brasil de Pedro Carlos Louzada Fonseca

Designer: Zé Vicente

Operação de trilha e luz: Ana Clara Muner e Lucas Pradino

Foto divulgação: Felipe Stucchi , Caio Oviedo e Nicolle Krüger Comis

 Agradecimentos: Eugênio Lima, Ingrid Estevez, José Fernando Peixoto de Azevedo e Laís Trovarelli

Produção Executiva e bilheteria: Bertha S. Heller

Costura: Silvana de Carvalho

Técnicos de iluminação e áudio: Denilson Marques e Mario de Castro

Cenotécnico: Zito Rodrigues e Nilton Ruiz Dias

Apoio: Cinelândia Gráfica e Editora e Frango com Tudo

QUANDO

De 26 de julho a 12 de agosto de 2018

3ª a sábado às 21h e domingo às 19h

Teatro Laboratório ECA

Sala Alfredo Mesquita – 120 lugares

Rua da Reitoria, 215 (Travessa da Av. Prof. Luciano Gualberto)

(11) 3091-4376

Espetáculo recomendado para maiores de 16 anos

Duração 90 minutos

A BILHETERIA ABRE 1 HORA ANTES DO ESPETÁCULO

____________________________________________________________________________

Diretora da Escola de Arte Dramática fala dos 70 anos da Unidade.

 

Para acessar a entrevista publicada no Jornal da USP, Clique aqui.

 

____________________________________________________________________________