Homenagem da Congregação da ECA

Na tarde de 24 de maio, a Congregação da ECA promoveu uma sessão solene destinada à entrega de menção honrosa aos professores Ivan Santo Barbosa, do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP), Maria Immacolata Vassallo de Lopes, do Departamento de Comunicações e Artes (CCA) e Vânia Fernandes Debs, do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão (CTR), recentemente aposentados, de modo a homenageá-los por suas carreiras na docência e reconhecer sua contribuição à Escola e à sociedade.

O professor Eduardo Monteiro, diretor da ECA, abriu a sessão e na sequência, deu-se início à homenagem destinada ao professor Ivan Santo Barbosa, docente da Escola há mais de 30 anos. O professor Paulo Roberto Nassar, vice-chefe do CRP, foi chamado ao púlpito para falar um pouco mais sobre o homenageado.

Paulo Nassar transmitiu, inicialmente, alguns dados sobre a trajetória de Ivan Barbosa: formado em Publicidade e Propaganda pela ECA, em 1973, na primeira turma do curso, tornou-se mestre pela Escola e doutor pela Université Catholique de Louvain, na Bélgica – período a partir do qual começou a carreira de docente na USP, atuando principalmente na área de linguística e semiótica. “Ele formou mais de mil publicitários preparados para a criação textual de campanhas com compromisso, ética e atividade no melhor estilo”, completou.

“Seu compromisso com a formação de pesquisadores, em todos os níveis da graduação, era incansável, assim como com a investigação rigorosa e inspiradora que integrava aos estudos da linguagem”, destacou o professor Paulo Nassar ao abordar a contribuição de Ivan Barbosa para a pesquisa. Barbosa realizou pós-doutorado no Japão, em uma pioneira relação com a Universidade de Osaka, além de ter orientado inúmeros projetos de iniciação científica e pós-graduação, criado o Núcleo de Estudos em Linguagem Publicitária (NIELP) e publicado diversos livros e artigos. “Desejamos manifestar nossos sinceros agradecimentos pelo prazer da experiência de um cotidiano de trabalho e pesquisa afetuoso, bem-humorado e inteligente”, finalizou Nassar.

Após a entrega do certificado de menção honrosa, Ivan Santo Barbosa rememorou seus caminhos desde a infância até o momento atual, passando pela formação artística e pelos anos dedicados à docência. “De tudo fica um pouco”, iniciou. “Uma grande alegria foi ler meu nome na lista dos aprovados, chegar à São Paulo com 17 anos e procurar repúblicas”.

Em meio a ensinamentos de tantos mestres, contou que ingressou também no curso de Letras da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), para aprofundar uma iniciação científica feita na ECA. “A teoria literária e a linguística me arrebataram e, no Trabalho de Conclusão de Curso, percebi que era a crítica publicitária que me interessava”, revelou. “Isso foi traçando a minha tessitura como sujeito; sujeito esse que se edificou como professor e tentou uma vaga no próprio departamento que havia lhe formado, na própria universidade mãe. Eu me sinto muito feliz com tudo isso”.

No momento afastado da docência, Barbosa revela que pensa em voltar às salas de aula. “Eu tinha terminado, mas agora eu senti o gostinho de quero mais”, conta. “Sem a ECA eu não seria ninguém”.

Em seguida, o professor Richard Romancini, docente do CCA, foi ao púlpito para falar sobre a próxima homenageada, a professora Maria Immacolata Vassalo de Lopes. “Immacolata soube alargar horizontes, construindo um caminho aberto ao hibridismo e à complexidade”, contou, ao enumerar muitas das instâncias de pesquisa nas quais a professora atuou ou as quais ajudou a criar, tais como a Intercom (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação) e a Obitel (Rede Brasileira de Pesquisadores da Ficção Televisiva). Graduada em Ciências Sociais pela FFLCH, mestre e doutora em Ciências da Comunicação pela ECA, segundo Romancini, Immacolata preocupou-se com “a estruturação de um campo de ensino e pesquisa legitimamente comunicacional”, o que significou, para a ECA, a idealização de estudos de pós-graduação, bem como sua atuação como docente na Escola desde 1979.

Equilibrando-se sobre dois eixos, a cultura popular de massa e a reflexão epistemológica-metodológica, Immacolata tornou-se uma “alta produtividade e impacto em seu campo” e se estabeleceu como uma referência nos estudos sobre telenovela. "Nessas breves pinceladas sobre a contribuição de Maria Immacolata Vassallo de Lopes, fica principalmente a lição de compromisso e rigor, que os construtores de ideias nas instituições levam como exemplo”, concluiu.

Com a entrega do certificado, Immacolata passou ao seu discurso: “eu queria ser uspiana e, depois, por situações políticas principalmente, terminando o curso de ciências sociais, optei pela ECA”, começou. “Tudo o que pode ser relatado nessa trajetória está nesse marco”. Durante a graduação, contou que uma das coisas que lhe interessavam era a questão da ideologia, por isso a aproximação com os meios de comunicação, em especial da cultura popular.

A telenovela veio naturalmente após o estudo da rádio dos pobres. “A telenovela era jogada no lixo, como uma coisa que não tinha a menor importância intelectual, teórica e social”, pontuou, ao contar da origem do Centro de Estudos de Telenovela, grupo de pesquisas que atualmente coordena. 

“Agradeço pela cerimônia de reconhecimento por uma trajetória na ECA e na USP,” comentou a professora Maria Immacolata. Ainda que aposentada, ela continuará lecionando na ECA. Ao centro, o professor Eduardo Monteiro e à direita, o professor Richard Romancini.

Em seguida, o professor Eduardo Simões dos Santos Mendes, chefe do CTR, relembrou a trajetória de Vânia Debs. “A Vânia é doce, generosa, amorosa, companheira, parceira para todas as horas. A ECA teve e felizmente continua tendo a sorte imensa em contar com a Vânia nos cursos do CTR”, iniciou, elogiando a homenageada. Uma das principais montadoras do mercado audiovisual brasileiro, a professora tem, há anos, seu trabalho reconhecido por “todos os principais festivais do país”.

Formada em cinema pela Fundação Armando Álvares Penteado, com mestrado na Itália e doutorado na ECA, Vânia tem, ainda, grande participação na modernização dos cursos do departamento. Tendo escolhido, na vida acadêmica, “se entregar de corpo e alma à graduação”, foi fundamental para “repensar os caminhos didáticos” do curso e para aumentar a qualidade e a quantidade dos filmes dos alunos da ECA. “Se hoje a ECA tem a sua produção audiovisual premiada nacional e internacionalmente, devemos muito à Vânia”, revelou. “Obrigado pelas aulas, orientações, cursos e companheirismo e, acima de tudo, obrigada por trazer vida e amor para todos nós,” completou.

Assim como os demais homenageados, Vânia tomou a palavra após o recebimento do certificado. Agradecendo pessoas que foram importantes em sua formação e trajetória na universidade, a professora comentou acerca de um marco em sua carreira: a transição do sistema analógico para o digital, que alterou completamente sua atividade docente, por exigir uma “atualização e profundidade de conhecimento” no pensar audiovisual. “Tive que desenvolver uma metodologia de pensar a prática não tanto com um olhar empírico, mas também uma teorização da prática, para que os alunos sentissem que aqui dentro eles poderiam dar um salto”, lembrou.

“Estar na universidade é estar perto dos alunos”, pontuou a professora Vânia Debs, do CTR. 
À esquerda, o professor Eduardo Mendes.

A professora também agradeceu aos demais colegas e funcionários do departamento com os quais convive diariamente, pessoas que “pensam, aprofundam e estão disponíveis ao novo”, relembrando especialmente de Jean-Claude Bernardet, colega que ensinou-lhe “um rigor e uma ousadia; que toda a tradição existe para ser subvertida, mas com qualidade e consistência”. Vânia Debs também continua na docência

Por fim, o professor Eduardo Monteiro comentou estar muito feliz por retomar a tradição das homenagens, celebração que procura “reconhecer a importância e dedicação dos docentes”, além de lembrar que a Escola está de braços abertos aos professores. “Se estamos aqui, devemos isso à vocês,” completou.

O LAC - Laboratório Agência de Comunicação da ECA reconhece e agradece a contribuição dos professores homenageados para a formação intelectual de inúmeros alunos e para as suas respectivas áreas.

Texto e fotos: Victória Martins

fonte:lac.usp.eca, por