Análise do filme Super-8 Terror da Vermelha

14/09/2015 19:00

Acontece segunda-feira (14/9), no Auditório B do CTR, a análise do filme Super-8 Terror da Vermelha (Teresina, 1972), de Torquato Neto. O evento terá a participação de Geraldo Blay,     Paulo Ferraz, Laura Cánepa,  e como mediador Rubens Machado Jr.

A atividade é do Grupo de Pesquisa do CNPq  “História da Experimentação no Cinema e na Crítica”. 

Sinopse: Um esquálido e desengonçado forasteiro sem nome chega ao bairro da Vermelha, em Teresina, Piauí, realizando assassinatos em série. Terror poético autofágico e negativo do próprio ambiente familiar, da não correspondência afetiva feminina, do conservadorismo dos valores da cidade natal, localismos se injetam em admirados gêneros cinematográficos. Estão em causa o próprio realizador, suas autorreferências, o ato de filmar, liberdades afetivas e transexuais, repercussões post-mortem.

Geraldo Blay Roizman é artista plástico, vídeo-artista, graduou-se em Arquitetura e Urbanismo pela PUC de Campinas em 1987, mestre em Artes Visuais pela UNESP, com a dissertação Mário Peixoto, um olhar fenomenológico, e doutorando em Meios e Processos Audiovisuais na ECA.  Membro do grupo de pesquisa História da experimentação no cinema e na crítica. Ensinou História da Arte, Bidimensionalidade e Pintura nos Cursos de Artes Visuais e Design da FiaamFaam e FMU. Realizou entre outros, Nuanças, prêmio melhor filme no Festival do MUBE, 2012, baseado no romance de Mário Peixoto O inútil de cada um.

Paulo Ferraz, poeta mato-grossense, residente em São Paulo desde 1995, é estudioso da poesia de Torquato Neto. Advogado, mestre em Teoria Literária na FFLCH, foi editor das revistas O Onze de AgostoFNX eSebastião, revista de poesia, e publicou os livros Constatação do Óbvio (1999), Evidências pedestres (2007) e De novo nada (2007). Participa das volumes coletivos Paixão por São Paulo: antologia poética paulistana (2004) e Antologia Comentada da Poesia Brasileira no Século 21 (2006).

Laura Loguercio Cánepa é jornalista e pesquisadora de cinema. Doutora em Multimeios pelo IA-UNICAMP e mestre em Ciências da Comunicação pela ECA, com pós-doutorado no CTR/ECA. Coordenadora do Mestrado em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi, é líder do grupo de pesquisa Formas e Imagens na Comunicação Contemporânea e membro do grupo de pesquisa História da experimentação no cinema e na crítica. Coordenou o GP de Cinema da INTERCOM e faz parte do corpo editorial da revista Rebeca, da SOCINE.

Rubens Machado Jr. é doutor em artes-cinema na ECA, onde é livre-docente, lecionando História, Análise e Crítica. Estágio em doutorado na Paris 3; pós-doutorado no IA-UNICAMP. Participa da edição das revistasCine-Olho, L’Armateur, Infos Brésil, praga, Sinopse Rebeca. Curador da mostraMarginália 70: o experimentalismo no Super-8 brasileiro, Itaú Cultural. Eleito conselheiro em várias gestões da SOCINE, onde criou o Seminário Cinema como arte, e vice-versa. Lidera o grupo de pesquisa História da experimentação no cinema e na crítica.

Serviço

Data: 14/9
Horário: 19h
Local: Auditório B do CTR