Departamentos da ECA discutem mudanças

No último dia 13, o Fórum da Graduação deu continuidade às discussões que buscam atualizar e reformular os cursos e habilitações da ECA. Houve duas reuniões simultâneas – uma voltada para os cursos das artes e outra para os das comunicações – onde cada Coordenação de Curso (CoC) apresentou os principais resultados obtidos até agora e os próximos passos previstos.

 

 

Confira as principais proposições dos Departamentos.

 

 
´Departamentos:  Artes Cênicas (CAC),  Artes Plásticas (CAP),  Música (CMU),  Cinema, Rádio e Televisão (CTR)
O principal objetivo da reunião foi reforçar os vínculos entres os Departamento de Artes, com propostas e atitudes conjuntas e interdisciplinares. Para curto prazo, foi apresentada como proposta a garantia de reserva de vagas para disciplinas eletivas ou livres disponibilizadas apenas para estudantes de Artes. Além disso, os Departamentos pretendem realizar um seminário de curta duração relacionado à história e crítica, que apresenta aspectos e características de artes cênicas, artes plásticas, música e audiovisual. A ideia é que seja formulada uma disciplina em comum às áreas de artes e ligada ao conteúdo das apresentações. Os Departamentos também procuraram propor ações para reforçar áreas de interesse conjunto, como mídias interativas, direção de arte, música, cenografia visual, entre outras.
 
Departamento de Biblioteconomia e Documentação (CBD)
Uma das ideias que vem sendo discutida neste Departamento é a criação de um bacharelado interdisciplinar em informação e cultura, com liberdade de trajetória acadêmica para os alunos. A proposta conta com o aumento do número de vagas anuais para 40 e a criação de um “ciclo básico” de três anos que deveria ser cumprido por todos os alunos. Posteriormente, poderiam optar por Arquivologia, Museologia, Biblioteconomia e Documentação, Informação Corporativa, ou Informação Pública e Gestão Cultural.  

 

 
Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE)
A proposta de reformulação do curso de Editoração é uma das mais avançadas, já foi aprovada em todas as instâncias da ECA, e está aguardando resposta da Pró-Reitoria de Graduação. Um de seus diferenciais é a valorização de atividades complementares ao curso. Sobre a habilitação em Jornalismo, o professor José Coelho Sobrinho apresentou os resultados de encontros semanais que ocorrem no Departamento para discutir as mudanças. Para ele, o curso deve “favorecer a construção da autonomia intelectual do egresso”. As disciplinas seriam divididas em Fundamentação, Profissionalizantes, Linguagem e Optativas, em proporções que variam ao longo do curso, e ainda estão sendo discutidas.
 
Departamento de Comunicações e Artes (CCA)
A professora Roseli Fígaro apresentou as propostas do curso de Educomunicação. Entre elas, a principal é o aprimoramento da disciplina “Atividades acadêmicas, científicas e culturais”. Durante quatro semestres, os alunos participam de uma palestra, recebem leituras prévias e realizam uma captação em vídeo, áudio e texto do encontro. “Trata-se de oficinas e laboratório assistido e proposto. Atravessa todos os conjuntos de disciplinas da grade do curso”, disse a professora. Além disso, os alunos também devem realizar 14 horas de imersões e vivências em instituições parceiras (TV USP, Rádio Net, Instituto Maurício de Souza). Há também uma proposta de intersecção com o curso de  Editoração na disciplina sobre Livros Didáticos, os alunos de Educomunicação criariam o conteúdo e os de Editoração realizaram a diagramação e publicação. 
 
Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP)
A CoC do curso de Turismo pretende avaliar os impactos da mudança curricular feita em 2008, já que a primeira turma que cursou a nova grade se forma no fim do ano. Além disso, fará revisão do conteúdo da habilitação e da bibliografia utilizada. Também estão buscando adequar matérias relacionadas a finanças, economia e estatística, além da inclusão da disciplina de Políticas Públicas como obrigatória. Em Publicidade e Propaganda,  a ideia é buscar uma convergência de formas e conteúdos cada vez maior com Relações Públicas.
 
Por Leonardo Maran, Mayara Teixeira e Thaís Helena Amaral