Audiovisual ganha disciplina sobre produção de games

Curso on-line e aberto ao público é ministrado pelo professor Gilson Schwartz; atividades começaram com aula magna no dia 10 de setembro

 

O grupo de estudos Cidade do Conhecimento, coordenado pelo professor Gilson Schwartz, do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão (CTR), lançou nesta quinta, 10 de setembro, a disciplina Produção de Games, que passa a integrar o curso de Audiovisual. Totalmente on-line, o curso é aberto a interessados na certificação como ouvintes, inclusive alunos do ensino médio, com inscrições prioritárias para estudantes de escola pública, de baixa renda, pretos e ativistas de direitos humanos. 

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar, da Rádio USP, o docente explica que o surgimento do curso responde a demandas dos alunos de audiovisual interessados no desenvolvimento de games. “Com a pandemia e o isolamento social, há uma intensificação do digital. As ferramentas mais criativas do mundo on-line passam agora a ganhar uma importância e até uma oportunidade de se desenvolverem mais. O jogo é um espaço de brincadeira e diversão, mas que pode levar a pensar como um bom filme, um bom livro e uma boa música.”

Uma aula magna sobre o conceito de ludicidade marcou o início do curso. O tema foi explorado por Mário Lapin, game designer e diretor de Educação e Sociedade da Associação Brasileira da Indústria de Games (Abragames). “O mercado brasileiro de games e mídias imersivas já mostra uma capacidade de resposta impressionante aos desafios da pandemia e da crise econômica. É fascinante pensar que a criatividade digital e lúdica venha efetivamente a contribuir para a superação de desafios muito reais hoje, como saúde, justiça e integração na diversidade”, diz o profissional.

 

cartas jogo Purposyum

Cartas do jogo Purposyum, um dos desafios que será proposto aos alunos da disciplina. O jogo foi desenvolvido com alunos da Escola Técnica Estadual (ETEC) Parque da Juventude, dentro de uma parceria entre a Pró-Reitoria de Graduação da USP (PRCEU) e a ONU. Imagem: site UNODC (ONU/Declaração de Doha).

 

Lapin foi um dos responsáveis por trazer para a América Latina a instituição internacional Games for Change (Jogos para a Transformação, em tradução livre), focada no desenvolvimento de jogos que abordem temas relevantes e gerem impactos positivos nos jogadores. A entidade – que desde 2010 tem uma parceria com o Cidade do Conhecimento, organizador do Festival Games for Change – contribuiu para o desenvolvimento da disciplina. 

Para Schwartz, “os games podem ser usados também para tornar o mundo um jogo onde nem sempre se é competitivo, pode ser um jogo colaborativo em que o resultado são transformações da consciência do indivíduo. Essa lógica de que o útil pode estar ligado ao agradável e ao eticamente desejável é que faz a base dessa agenda de aproximar os games da realidade. Tudo isso faz parte desse universo enorme e cada vez mais estudado, que é o da relação humana com o lúdico, com aquilo que faz a vida algo divertido, mas que nos leva a melhorar como pessoas”. 

O programa da disciplina tem foco no desenvolvimento de jogos. Haverá premiações e desafios envolvendo outras unidades da USP, como a gamificação da obra Macunaíma, de Mário de Andrade, com o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB); o desafio da justiça, com o jogo de cartas Purposyum, fruto de parceria entre a Organização das Nações Unidas e a Pró-Reitoria de Graduação da USP; e a criação de jogos que abordem a sustentabilidade das construções, em parceria com o Núcleo de Tecnologia Arquitetura e Urbanismo da FAU. 

As aulas são semanais, às quintas-feiras, das 9h às 12h. Para mais informações sobre como participar, escreva para uaifainet01@gmail.com

 

Com informações do Jornal da USP e Cidade do Conhecimento