Campanha de recepção aos calouros da USP é feita por alunos do CRP

O professor Heliodoro Teixeira Filho, mais conhecido como Dorinho, é responsável por duas disciplinas obrigatórias do curso de Publicidade e Propaganda da ECA: Comunicação Visual, no 5º semestre, e Arte Publicitária, no 6º. Criadas por ele há 36 anos, sobreviveram às transformação que aconteceram na área, principalmente no que diz respeito à tecnologia utilizada para a elaboração e execução final dos trabalhos. No entanto, o professor garante que algumas práticas como rabiscar numa folha A3 ele não abandona, muito pelo contrário, incentiva.

 

Dorinho diz que há 30 anos era muito difícil se encontrar um diretor de arte que tivesse formação superior. Quando estava finalizando o curso de arquitetura, conheceu o que ele chama de “duas grandes figuras da propaganda brasileira: Otto Hugo Scherb e Luiz Celso Piratininga”. Conta que além da atividade acadêmica, na USP e na ESPM, ambos também trabalhavam no mercado: “além de professores eram profissionais do mercado, tinham a visão que as duas escolas eram extremamente teóricas. Faltava um trabalho prático”.

Depois de formado, Dorinho recebeu o convite para ser professor das duas escolas, ECA e ESPM. No entanto, como também tinha um estúdio de design gráfico, conta que por falta de tempo acabou deixando a docência na ESPM alguns anos depois.

Sobre as suas disciplinas na ECA, o professor conta que “o objetivo das duas disciplinas citadas é fazer com que o aluno tenha contato com as questões da direção de arte, na comunicação mercadológica”. Ressalta também que há pouco tempo para explorar uma área tão complexa como é a área de direção de arte.

A campanha de recepção aos calouros está ligada ao acidente  que terminou em tragédia alguns anos atrás na escola de Medicina: “Desde o trágico acontecimento com um aluno da Medicina na semana dos calouros, a reitoria sentiu a necessidade de uma comunicação que orientasse os veteranos a terem um comportamento solidário.”. A Campanha de Recepção aos Calouros, popularmente conhecida como Campanha do Trote, é feita na disciplina há 12 anos.

Uma característica das disciplinas aplicadas pelo professor é o aspecto pragmático presente em todas as atividades, até mesmo pelo fato dos trabalhos lidarem diretamente com “clientes reais”. Um dos alunos que participou da Campanha do Trote, Felipe Watanabe, reforça a importância da disciplina para sua formação e para a dos seus colegas: “pela primeira vez, nós tivemos oportunidade de trabalhar em campanhas com "clientes reais", que seriam veiculadas de verdade.”

Dorinho observa que “a forma de se trabalhar com clientes reais é levada a sério em todas as etapas do trabalho: o cliente se apresenta em aula, passa as informações, as necessidades, o briefing, etc. Tudo acontece ao longo das aulas. No final, é marcada uma apresentação formal dos trabalhos.”

Watanabe também conta que o  mais foi aproveitado dessa disciplina “foi a experiência real da coisa, de receber o briefing do cliente, ter nas mãos a liberdade para criar uma campanha, apresentar, concorrer entre as outras agências (como uma concorrência de verdade entre empresas), cuidando desde a produção das peças, até acompanhamento da produção, soluções de logística entre os outros campi da USP, etc”.

Além da campanha em cartazes e panfletos impressos, os alunos da campanha vencedora também fizeram um vídeo que pode ser visto no youtube – Campanha do Trote – e uma conta no Formspring, uma ferramenta de perguntas e respostas online onde os calouros podem fazer perguntas a uma equipe especial da pró-reitoria para tirar qualquer tipo de dúvida.

Em 2012, Dorinho diz que não será diferente: “para a 'agência' que 'ganha a conta', o trabalho se completa com a necessidade de finalização dos arquivos para veiculação da campanha. Ver o trabalho veiculado, principalmente no próprio campus, é sempre outra forma de aprender.”

 

Texto e fotos por Silvio Augusto Junior