Como o público consome ficção televisiva; discussão é tema de seminário em Nova York

O XIV Seminário Internacional do Observatório Ibero-Americano de Ficção Televisiva tem presença de professora e pesquisadora da ECA

A ficção televisiva é um elemento cultural extremamente importante nos países ibero-americanos. As telenovelas, por exemplo, são fortes indicadores das mudanças na sociedade. Prova disso é que, cada vez mais, pautas socialmente engajadas preenchem os roteiros. A fórmula clássica de vilões e mocinhos ainda existe – e cativa o público. Mas há um cenário de mudança na forma de ver, e principalmente consumir, ficção televisiva. 

Esse é um dos temas do XIV Seminário Internacional do Observatório Ibero-Americano de Ficção Televisiva (Obitel), que acontece nos dias 25, 26 e 27 de setembro, na New York University (NYU). No evento, estarão presentes pesquisadores de dez países, incluindo a professora Maria Immacolata Vassallo de Lopes, do Departamento de Comunicações e Artes (CCA), e a pesquisadora Ligia Maria Prezia Lemos, pós-doutoranda em Ciências da Comunicação. 

O Obitel existe desde 2005, com o objetivo de analisar a ficção televisiva na Ibero-América. Na décima quarta edição do seminário, dez países mostrarão resultados de suas pesquisas sobre a oferta de ficção televisiva em plataformas de vídeo sob demanda. 

No seminário, haverá o lançamento do 13º Anuário Obitel, além de vasta programação, com palestras sobre os mais variados temas, incluindo narcocultura, economia da mídia, etnicidade e muitos outros. No ano passado, o Obitel ocorreu na USP. 

A professora do CCA é coordenadora da equipe brasileira do Obitel e será responsável por abrir e encerrar as atividades da conferência, junto aos pesquisadores Guillermo Orozco, da Universidad de Guadalajara, e Juan Piñón, da NYU. 

A programação completa pode ser conferida no link

Edição de 2018 do Obitel, na ECA. Foto: Divulgação