Documentário de aluno de Jornalismo narra a "jornada interior" do Caminho de Santiago

O percurso pelo interior da Espanha foi gravado em um smartphone e já está disponível no Youtube

 

1.100.610 passos. Aproximadamente 800km. Essa é a extensão do Caminho de Santiago, na Espanha. Em 2019, de acordo com a Oficina del Peregrino, 138.791 pessoas – ou melhor, peregrinos – se propuseram a percorrer o Camino. Entre elas estava o aluno de Jornalismo Alexandre Amaral. O Caminho foi tema de seu trabalho de conclusão de curso e resultou no documentário Pilgrims (peregrinos, em inglês), todo gravado no celular. 

Mesmo em um percurso mundialmente conhecido – considerado patrimônio mundial pela UNESCO – os momentos solitários, de autoconhecimento e reflexão, também estão presentes. E foi essa jornada interior o principal eixo narrativo do filme, que já está disponível no Youtube

"Eu queria fazer um filme principalmente para os peregrinos que entrevistei. Colocar a pessoa que está assistindo 'nos calçados' desses peregrinos", explica Amaral. De fato, o documentário é centrado em alguns personagens-chave: a senhora septuagenária que já percorreu o Caminho diversas vezes, o britânico que presta socorros médicos, a francesa que decidiu aceitar o desafio como forma de autoconhecimento. Para o documentarista, o principal desafio foi, justamente, ter que cortar partes com os entrevistados. 

Entrevistado no documentário sobre Caminho de Santiago, feito por aluno de Jornalismo da ECA/USPTrecho do documentário Pilgrims, que conta com diversos personagens. Imagem: Reprodução/Youtube

Gravado e narrado em inglês – a língua mais falada no Caminho, apesar de sua localização na Espanha –, o filme tem legendas em português, espanhol, francês e italiano. Essa característica poliglota ajudou na divulgação e no alcance da produção. Mas a experiência dos peregrinos vai muito além do idioma. O estudante conta que "se você está disposto a fazer o Caminho de Santiago, não importa a língua que você fale, você tem que estar disposto a pisar fora da sua zona de conforto". 

De fato, conforto não é a palavra que pode definir o Camino. Andando uma média de 30km por dia com toda a bagagem nas costas, os peregrinos contam com a ajuda de cajados para vencer as subidas e descidas do relevo espanhol. Para descansar, há os albergues privados e públicos, que, em alguns casos, são grande fonte de renda para as economias locais. 

Nesse ponto, a gravação com o celular foi uma escolha acertada. Afinal, carregar uma filmadora profissional acarretaria em mais peso e menos naturalidade com os entrevistados. "O celular deixa a produção mais íntima de uma certa maneira. Não assusta tanto as pessoas", comenta Amaral. 

 

Gravação no celular: o importante é usar as limitações como expressão criativa

Com um tema tão abordado por produções audiovisuais, Pilgrims traz a inovação de ter sido feito totalmente no celular. Enquanto pesquisava sobre filmes feitos com esse equipamento, o estudante percebeu que a maioria tinha um certo limite de duração, com 15 minutos, no máximo, enquanto seu TCC totaliza 57 minutos. 

A proposta, então, era fazer o documentário de maneira que o foco principal não fosse o equipamento, mas sim a narrativa. "Queríamos ver o quão profissional, o quão cinematográfico a gente conseguiria ser usando o mínimo de equipamento possível", conta Amaral, que foi orientado pelo professor do Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE), Wagner Souza e Silva.

Se comparado com câmeras, o celular tem recursos mais limitados. Mas isso acabou sendo um combustível para a produção. "Tem muitas limitações, mas você tem que tentar extrair dessas limitações e usar aquilo como uma ferramenta criativa", explica o estudante. 

O smartphone tem conquistado espaço no meio audiovisual e sua tecnologia está em constante evolução. Na opinião de Amaral, o custo-benefício é ótimo. "Eu nunca recomendaria a uma pessoa que está com pouca grana comprar uma câmera, porque o celular vale muito mais a pena."

Essa, inclusive, não foi sua primeira experiência com o equipamento. Durante seu intercâmbio pela ECA, para Newscastle, na Inglaterra, ele produziu vlogs diários documentando a viagem e suas vivências. As aulas da grade de Jornalismo com enfoque no audiovisual serviram de inspiração. 

Para Alexandre Amaral, a maior validação de seu trabalho é justamente as pessoas não perceberem que ele foi filmado com um smartphone. "O filme não é bom porque ele foi feito no celular. O filme é bom e pronto. O equipamento é só um detalhe."

Caderno escrito El Camino de Santiago

 

Texto: Maria Eduarda Nogueira

Imagem de capa: Reprodução Pilgrims /Youtube