ECA integra seleto grupo de escolas de excelência em ciência da informação

ECA é a primeira escola latino-americana a tornar-se parte do iSchools

A informação é a principal matéria do mundo moderno. Sem a boa gestão dessa matéria, há caos e confusão. Por isso, os centros de excelência em formação de profissionais da ciência da informação e de dados são tão importantes. Esse seleto grupo está reunido no iSchools, organização que agora inclui sua primeira entidade latino-americana: a ECA.

As iSchools são basicamente escolas de informação, em tradução literal. Seu foco é formar experts em dados e informação que possam atuar em diversos mercados, dada a grande demanda por esse tipo de profissional em uma sociedade onde tudo é informatizado. 

O requisito básico para entrar no grupo é que a instituição tenha um programa de doutorado. Além disso, a matriz curricular precisa ser interdisciplinar, propondo a integração de diferentes ramos da ciência de dados e da informação, explica o professor Sam Oh, presidente do consórcio iSchools e professor do Departamento de Ciência de Dados da Sungkyunkwan University, da Coreia do Sul.

“Nas iSchools, o corpo docente vem de diferentes áreas e isso nos permite resolver problemas a partir de múltiplas perspectivas”, comenta. Sendo assim, uma instituição especializada somente em ciência da computação não pode se consorciar, por exemplo. 

Os benefícios de estar nesse seleto grupo incluem o contato com instituições de excelência na área de informação e dados. Esse contato é positivo pois permite a mobilidade de professores, pesquisadores e alunos entre as escolas. 

Além disso, o centro da inovação curricular dos cursos se concentra nas iSchools. As novas tendências chegam primeiramente aos membros, que, através de três comitês, discutem reformulações para um ensino mais abrangente.  

Professores Sam Oh e Francisco Paletta. Foto: Maria Eduarda Nogueira. 

O iSchools conta com mais de 105 membros, divididos em três “capítulos”: América do Norte, Europa e Ásia. 

O capítulo latino-americano está sendo escrito. E a ECA é pioneira nesse trabalho. “A ECA tem o privilégio de poder liderar este movimento e ser a primeira escola da América Latina a participar deste grupo seleto”, comenta o professor Francisco Paletta, do Departamento de Informação e Cultura (CBD). Este também é um importante passo para a internacionalização da USP. 

Com o objetivo de potencializar o movimento na região, a ECA recebe nos dias 21, 22 e 23 de janeiro o encontro iSchool Brasil. O evento conta com três palestras do professor Sam Oh. “Estou aqui para aprender quais são os pontos fortes da América Latina e para encorajá-los a formar um capítulo latino-americano”, diz.

“Eu acho que esse é um primeiro embrião que nós temos dentro do nosso departamento para construir aqui na USP um centro de excelência em informação, cultura e comunicação. É esse caminho que nós queremos nos próximos anos”, conclui o professor Paletta.