ECA na mídia: Carlos Augusto Calil dá entrevista sobre a Lei Rouanet

Carlos Augusto Calil professor do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão  (CTR) e ex-secretário municipal de cultura de São Paulo, deu uma entrevista à Revista Época falando sobre a Lei Rouanet e suas mudanças no atual governo.

Durante a entrevista, Calil fala sobre as alterações no projeto, que acredita não trazerem muitas mudanças para descentralizar o mercado da cultura.  Além disso, explica em detalhes as formas de incentivo pelas empresas e sobre a diminuição do teto de investimentos para captação: “cada modalidade tem uma faixa de custos que é do domínio dos produtores culturais e dos agentes do governo. Livros, peças de teatro, shows musicais, restauros de obras históricas têm custos diferenciados. O governo deveria fixar tetos para cada modalidade, a exemplo do que fez a Prefeitura de São Paulo na gestão Serra (...)”, afirma.


Carlos Augusto Calil fala sobre as mudanças na Lei Rouanet na Revista Época. Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Outro ponto importante da entrevista foi sobre os efeitos vindos com a mudança na lei, que preservou o essencial, como o apoio à instituições públicas de museus, festivais de arte etc. No entanto, Calil conta que em um seminário, dirigentes culturais ingleses ficaram surpresos com a liberalidade da lei: “disseram que no Reino Unido tal lei seria 'impensável'. No país do liberalismo, nossa lei de incentivo é liberal demais”. Por fim, o docente também fala sobre como deveria ser o modo de incentivo por parte de companhias estrangeiras que se apresentam no país.

Leia aqui a entrevista na íntegra.