ECA reativa Escritório de Apoio Institucional ao Pesquisador

Na última semana, o Escritório de Apoio Institucional ao Pesquisador (EAIP) da ECA foi reativado. O EAIP estava inativo desde 2016, quando a funcionária responsável transferiu-se para outra unidade. Desde então, a Comissão de Pesquisa da ECA tem auxiliado os pesquisadores da Escola que buscam ajuda.

Os escritórios de apoio institucional são recomendados pela FAPESP e quase todos os institutos da USP oferecem esse serviço. “O pesquisador deveria fazer a pesquisa e o escritório de apoio faria a parte mais administrativa. No entanto, na ECA, a gente ainda não tem condições disso”, de acordo com Silvio Ferraz, professor do Departamento de Música (CMU) e presidente da Comissão de Pesquisa da ECA.

O EAIP está sendo reativado com a Comissão de Pesquisa assumindo esse papel. Por isso, Cristiane Martins, secretária da Comissão, explica que a intenção do escritório, neste momento, é de orientar os pesquisadores e, não, executar o trabalho com as agências de fomento.

Para Ferraz, é vantajoso reativar o escritório: “Isso torna a ECA competitiva quando a gente solicita o projeto junto às agências de fomento”, afirma. De acordo com o professor, uma agência como a FAPESP analisa se a instituição de origem do pesquisador possui um escritório de apoio, pois melhora as chances da pesquisa ser bem desenvolvida.

Além disso, com a reativação do EAIP será possível verificar a demanda da ECA. “A gente vai poder pensar, no futuro, se a gente vai ter funcionário específico para o escritório, se o escritório aumenta ou não”, segundo o professor.

Como vai funcionar?

Cristiane esclarece que, junto com a reativação do site do escritório, o endereço de e-mail também volta a funcionar. Com isso, ela pede que os interessados em tirar dúvidas ou em receber uma orientação sobre projetos de pesquisa - sejam de iniciação científica, de pós-graduação ou de docentes - marquem um horário de atendimento “para não misturar os assuntos de pesquisa com os do escritório”.

Entre os serviços que o EAIP irá oferecer está dar orientação sobre as contratações que o pesquisador tem que fazer, sobre as compras de itens concedidos, preparação de documentos e prestação de contas. Cristiane acrescenta que a maior parte das pessoas procuram ajuda para submeter os trabalhos às agências de fomento ou para pedir a verba de um projeto que já foi aceito.