Em parceria, Laboratório de Piano e Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas apresentam ciclo integral das obras de Beethoven

Nos próximos três finais de semana, o Laboratório de Piano do Departamento de Música (CMU) e a Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas promovem, em parceria, uma série de concertos em que será executada a integral das obras concertantes para piano e orquestra do alemão Ludwig Von Beethoven, um dos maiores compositores da história. As apresentações acontecerão no Teatro Castro Mendes, em Campinas.

A parceria se iniciou quando o regente titular da Orquestra Sinfônica de Campinas, Victor Hugo Toro, aproximou-se do professor Eduardo Monteiro, um dos coordenadores do Laboratório de Piano e propôs a execução de todas as nove obras do ciclo com alunos e professores vinculados ao Laboratório, conforme comenta a professora Luciana Sayure, também coordenadora do grupo.

De acordo com a docente, “a importância desse concerto vêm muito de seu ineditismo”, já que esta será, pelo que acreditam os envolvidos, a primeira vez em que as obras completas para piano e orquestra de Beethoven serão executadas em série única são cinco os concertos para piano do compositor habitualmente apresentados, visto que os outros quatro são bastante raros, afirma.

Solistas e programa

A execução de cada uma das composições será realizada pela Orquestra e por um solista de piano, todos associados ao Laboratório de Piano do CMU e bastante premiados: participarão cinco estudantes da graduação, três ex-alunos do departamento (e que, hoje, fazem pós-graduação na Europa) e a própria professora Luciana. Toda a série será regida por Victor Hugo Toro, diretor artístico e regente titular da orquestra.

Richard Kogima, Carlos Vogt e Lucas Thomazinho, solistas já no próximo final de semana. Fotos: Divulgação

No primeiro fim de semana, nos dias 19 e 20 de agosto, o pianista Richard Kogima, ex-aluno do CMU, executará a primeira obra rara do ciclo, Rondó para Piano e Orquestra em Si bemol maior, WoO 6, composta em 1793, mas publicada apenas a morte do compositor – por esse motivo, a marcação WoO, do alemão Werke ohne Opuszahl, ou seja, obra sem opus, modo pelo qual foram organizadas e são identificadas as obras publicadas quando Beethoven ainda era vivo. Também, os pianistas e atuais graduandos Carlos Vogt e Lucas Thomazinho executarão, respectivamente, o Concerto para piano nº 1, em Dó maior, Op. 15 e o Concerto para piano nº 5, em Mi bemol maior, Op. 73, também conhecida como Imperador.

Nos dias 26 e 27 de agosto, três alunos da graduação executarão as obras de Beethoven: Pedro Brack tocará a pouco conhecida Concerto para piano, em Ré Maior, Anh. 7, também publicada após a morte do compositor a marcação Anh se refere a obras atribuídas a Beethoven em um catálogo compilado em 1955, sem a total certeza se de fato haviam sido compostas por ele. Sayure explica que Beethoven nunca compôs uma cadência para essa obra e, assim, Brack ficou responsável por fazê-lo. Além dessa composição, Leandro Motta apresentará o Concerto para piano nº 3, Op. 37 e Lucas Gonçalves, o Concerto para piano em Ré Maior, Op. 61a, também pouco conhecida do público.

Por fim, nos dias 2 e 3 de setembro, os ex-alunos Pedro Sperandio e Silvia Molan se juntam à professora Luciana Sayure para o encerramento da série. Sperandio ficou responsável pelo Concerto para piano nº 0, WoO 4, poucas vezes executado, enquanto Molan executará o Concerto para piano nº 4, Op. 58 - 34 e a docente, o Concerto para piano nº 2, Op. 19 - 28.

Serviço:

Orquestra Sinfônica de Campinas e Laboratório de Piano apresentam ciclo integral para piano e orquestra de Beethoven
Datas: 19, 20, 26 e 27 de agosto e 2 e 3 de setembro
Horário: sábados, às 20h e domingos, às 11h
Local: Teatro Castro Mendes (Rua Conselheiro Gomide, 62, Vila Industrial, Campinas)

 

Texto: Victória Martins
Foto de capa: Site da prefeitura de Itu