Integração multicultural entre o Brasil e a Nova Zelândia existe, mesmo à distância

Projeto desenvolvido por professor de radiojornalismo em universidade neozelandesa valoriza a aproximação entre os dois países

 

Aproximadamente 12 mil quilômetros separam a Nova Zelândia da América Latina. A distância física de imensas dimensões não impede, no entanto, a integração multicultural entre as regiões. Prova disso é o trabalho desenvolvido pelo professor Luciano Maluly, do Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE), em parceria com a Massey University.

Em um encontro promovido pelas universidades neozelandesas e brasileiras, o docente encontrou o professor Leonel Alvarado, responsável pelos cursos de cultura e ensino da língua portuguesa e espanhola em Massey. 

Desse encontro, surgiu a ideia de propor um programa radiofônico que incentivasse a integração entre artistas do Brasil e da Nova Zelândia. “Começamos a trocar ideias sobre o programa, inclusive com os artistas, que logo toparam o desafio”, relata o professor Luciano. 

Desde então, os programas vem sendo produzidos para a Rádio USP. Entre os convidados já entrevistados estão o maori Warren Warbrick, um dos principais artistas da Nova Zelândia, o ator Henrique  Burjão e a cantora Alda Rezende, brasileiros de sucesso no país da Oceania. 

Além de produzir programas radiofônicos, o professor também ministrará no dia 22 de outubro uma palestra, intitulada Jornalismo esportivo – A crônica do futebol brasileiro. No CJE, o docente leciona radiojornalismo. “Estou investindo nessa formação para que os alunos possam produzir programas com conteúdo  multicultural e multilíngue.”

Os planos para o futuro incluem mais parcerias estabelecidas com a universidade neozelandesa: “estamos conversando sobre projetos a serem fruto dessa parceria entre a Massey University e a USP, que envolvam os docentes e os alunos de graduação, pós-graduação e pós-doutorado da ECA.”

Professor Luciano Maluly (ao centro) durante entrevista realizada com os artistas Alda Rezende, Luciano Milfont e Leonel Alvarado na Wellington Access Radio, na Nova Zelândia. Foto: Armando Baudin