“Cultura sendo feita por quem é da cultura”

Em visita à ECA, pró-reitora Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado ressaltou a participação ativa da Escola na atual gestão da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) da USP 

 

“É impactante ouvir o que vocês fazem”, disse a professora Maria Aparecida de Andrade Moreira Machado, atual pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária da USP, ao término das apresentações dos oito departamentos e da Escola de Arte Dramática (EAD) sobre as atividades que a ECA desenvolve nas áreas de cultura e extensão. A docente esteve na unidade no dia 10 de dezembro acompanhada da pró-reitora adjunta, Margarida Maria Krohling Kunsch, que é professora do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP). 

A pró-reitora destacou a participação ativa da ECA na atual gestão da PRCEU: “Sem dúvida alguma, a estrutura de cultura da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão é tocada hoje pela ECA. Nossos dirigentes são daqui”, disse. Além da pró-reitora adjunta, docentes da ECA estão hoje à frente de cinco órgãos de cultura da USP: Centro Universitário Maria Antônia, CINUSP, Orquestra Sinfônica da USP, CoralUSP e Teatro da USP, bem como do Programa Nascente. “Historicamente, isso nunca aconteceu, o que mostra o nosso respeito em ter a cultura sendo feita por quem é da cultura”.

Já a cultura e extensão feita na ECA procuram manter uma gestão alinhada com as diretrizes da PRCEU e o projeto acadêmico da Escola em quatro eixos principais: graduação, pós-graduação, pesquisa e internacionalização, explicou o presidente da CCEx, Francisco Paletta. O docente ressaltou a importância do “engajamento de todos os departamentos” na área de cultura e extensão, sendo papel da comissão auxiliar no desenvolvimento de novos projetos. 


Na foto, Margarida M. K. Kunsch e Maria Aparecida Machado, respectivamente, pró-reitora adjunta e pró-reitora de cultura e extensão universitária da USP. O encontro contou com a participação do diretor da ECA, Eduardo Monteiro, da vice-diretora, Brasilina Passarelli, e dos chefes dos oito departamentos e da EAD, além de presidentes de comissões e integrantes da CCEx.

Entre as iniciativas previstas pela CCEx no próximo ano está a criação de uma disciplina de português para estrangeiros, em parceria com o Instituto de Relações Internacionais (IRI). Para o docente, a cultura e a extensão se configuram como “canais importantes de acolhimento dos estudantes estrangeiros”. Em 2020, também será ampliada a participação da ECA no programa USP e as Profissões. A visita monitorada à escola, que acontecerá no mês de abril, terá horário estendido e maior oferta de vagas: serão 500, abertas a estudantes de ensino médio e vestibulandos que queiram conhecer a ECA.

“A sociedade precisa conhecer mais o que as universidades públicas estão fazendo”, acredita a professora Margarida Kunsch, para quem a visão da população sobre a USP ainda é muito limitada à formação profissional. Nesse sentido, a PRCEU planeja, em 2020, a realização de uma grande feira, aberta ao público, na cidade de São Paulo e, também, a contratação de duas carretas que irão circular no entorno dos campi da USP, em parceria com o programa USP e os Municípios. Em janeiro, serão divulgados os editais para aqueles que desejam apresentar propostas e participar do projeto. 

A pró-reitora defende uma maior aproximação da USP com a sociedade: “a melhor pesquisa é feita na extensão”, acredita Maria Aparecida. “É a extensão que vai mostrar o que eu preciso pesquisar para tornar a vida das pessoas melhor”.