Nova edição da Revista Movimento aborda o cinema experimental

Está disponível a Revista Movimento de número 11, produzida pelos alunos do Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais da ECA. De acordo com o editorial, esta edição se propôs a "radiografar o cinema experimental".

O texto Individualização Apocalíptica, de Lucas Teixeira Simões Mathias, pós-graduando da Anhembi Morumbi, analisa a crescente individualização na série The Walking Dead. Ele parte da premissa de que ocorre um distanciamento entre os sobreviventes do apocalipse, o que gera um crescimento do individualismo, e leva isso para a contemporaneidade.

Cinema alternativo em Porto Alegre e o campo de disputa, de Carlos Eduardo Poerschke Voltz, mestre pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, tem como objetivo identificar os cinemas alternativos de Porto Alegre e refletir sobre como estes cinemas disputam espaço e público com cinemas comerciais, que exibem muitos filmes hollywoodianos. Além disso, o autor também apresenta a importância do cinema alternativo como opção de entretenimento.

Fernanda Cobo de Sousa, pós-graduanda na Universidade Federal de São Carlos, analisa a construção formal do episódio San Junipero, da série Black Mirror. O artigo Intermidialidade e impureza em Black Mirror: uma análise de San Junipero investiga o episódio a partir do teórico David Bordwell, para a análise poética, e de Lúcia Nagib, para a discussão sobre a intermidialidade.

Outros textos ainda abordam filmes de Tacita Dean, do diretor Jason Reitman, o seriado Disjointed, entre outros.


Capa do número 11 da Revista Movimento