OCAM lança dois álbuns

Gravações da Orquestra de Câmara da ECA estarão disponíveis em site e em lojas físicas

 

No dia 13 de dezembro acontece o lançamento, em todas as plataformas digitais, dos dois primeiros álbuns da Orquestra de Câmara da ECA (Ocam), iniciando as comemorações dos seus 25 anos, que serão celebrados em 2020.

Sons sobre Tons - Criações Musicais sobre Ideias Visuais traz composições inspiradas em obras de artistas como Tomie Ohtake, Iberê Camargo e Franko Khoury. O álbum reúne músicas compostas por Alexandre Lunsqui e Valéria Bonafé, além de obras de três jovens compositores, vencedores do Concurso de Composição Musical Tomie Ohtake, realizado em agosto passado pela Ocam – Paulina Luciuk, Yugo Sano Mani e Wellington Gonçalves. “De surpresa, logo depois da premiação, levei a orquestra para o estúdio e registrei os vencedores do concurso”, comenta  o maestro Gil Jardim, diretor artístico da Ocam e professor do Departamento de Música (CMU). No álbum, a orquestra executa as obras com os elencos de 2016 e 2019, sob a regência do próprio Jardim, Filipe Fonseca e Enrico Peceguini Ruggieri.

O segundo disco, Segredos de Vera Cruz - Música Popular Brasileira para Gaita e Orquestra, apresenta um repertório formado por obras da MPB tendo como solista o consagrado gaitista italiano Gianluca Littera, virtuose do instrumento. Com arranjo e orquestração de Jardim, as faixas trazem composições de Herivelto Martins, Milton Nascimento, Djavan, Ivan Lins, Chico Buarque, Edu Lobo, Cartola, Paulo Bellinati e Léa Freire, entre outros. Gravado com a formação de 2012 da Ocam, o álbum conta com participações especiais de Ari Colares (percussão), Daniel Grajew (piano), André Bachur (bandolim), Guilherme Sparrapan (violão) e Neymar Dias (contrabaixo acústico).

Os dois álbuns estarão à venda no site da distribuidora Tratore e também em lojas físicas especializadas. 

 

Sobre a Ocam

A Ocam é um dos principais organismos artísticos da USP e tem sido referência no âmbito das orquestras profissionalizantes. Segundo Gil Jardim, que dirige a orquestra desde 2001, seu corpo é formado por 50% de alunos regulares da USP, que saem para o mercado ingressando em grandes orquestras do Brasil e do exterior, e os outros 50% são compostos por músicos profissionais vindos de várias partes da América Latina. A orquestra se renova todos os anos: “Desde que assumi a Ocam, já passaram por ela 800 jovens músicos”, afirma Jardim. E conclui: “A orquestra é um reflexo do mundo contemporâneo e abraça toda a diversidade, cultural e musical”.

 

Com informações do Jornal da USP