Projeto da ECA é selecionado no programa "Aprender na Comunidade"

Um projeto de extensão da ECA está entre os 104 selecionados da primeira edição do programa Aprender na Comunidade, da Pró-reitoria de Graduação. Conduzido pela professora do Departamento de Comunicações e Artes (CCA) Lucilene Cury, Culturas Imigrantes foi idealizado com o objetivo de promover o afunilamento entre a cultura brasileira e haitiana através do cinema.

Voltado para os imigrantes haitianos residentes na cidade de São Paulo, a proposta visa a organização de mostras cinematográficas com a exibição e debate de filmes pertencentes à cultura desses povos como meio de resgate e manutenção do saber local, como explica Lucilene: “O projeto Culturas Imigrantes tem por objetivo colaborar no sentido de promover o resgate da cultura do povo haitiano, que se encontra em terras brasileiras, mais especificamente em São Paulo. Buscamos trazer a cultura cinematográfica do Haiti para a cidade, a fim de que essa população de imigrantes possa sentir-se em casa. Trata-se da abertura da Universidade para um povo que aqui vive, no sentido de propor sua inclusão cultural e social, além de oferecer um tipo de respiro nesse difícil cotidiano, através da arte, no caso, do cinema e do audiovisual”, conta a docente.


A iniciativa conta com o auxílio de alunos de graduação e pretende promover debates entre alunos do curso de audiovisual e imigrantes haitianos residentes em São Paulo. Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Docente associada do CCA, Lucilene Cury é doutora em Ciências da Comunicação pela USP e atua nos campos das Ciências Sociais Aplicadas, da Comunicação e Educação. Questionada acerca da importância do Culturas Imigrantes para a Universidade, a professora comenta que o diálogo e a troca intercultural entre a USP e o público alvo do projeto é o produto de maior lastro para ambos os lados: “Pretende-se, ao mesmo tempo, trazer para a Universidade o saber e a cultura do povo haitiano, para que através de um diálogo entre todos, o conhecimento seja em si mesmo, alterado de modo significativo.”

Aprender na Comunidade

Criado pela Pró-reitoria de Graduação, o projeto Aprender na Comunidade é uma iniciativa que visa incentivar os alunos de graduação a desenvolver atividades fora da Universidade para fomentar e fortalecer o relacionamento da USP com a comunidade externa. Essa é a primeira edição do programa, na qual 104 projetos foram selecionados e irão receber verba de custeio para implementação. “Ficamos muito satisfeitos com a qualidade dos projetos inscritos. Essa é uma forma de conhecer e apoiar as atividades realizadas pelos alunos de graduação fora dos muros da USP, que dão visibilidade a tudo o que é desenvolvido aqui. Além disso, essas atividades incrementam a formação do aluno, já que, obrigatoriamente, estão relacionadas a uma disciplina e ao projeto pedagógico do curso”, disse a pró-reitora adjunta de Graduação, Maria Vitória Bentley, em entrevista ao Jornal da USP.

Os 104 selecionados foram divididos em três categorias, sendo 32 projetos específicos, 55 integrados e 17 consolidados. Os projetos específicos são projetos novos ou já existentes que envolvam um ou mais cursos de uma unidade. Já os integrados são programas novos ou já existentes que tenham impacto na comunidade e envolvem várias unidades. Por fim, os consolidados são projetos já regulares, que tenham grande impacto e envolvem vários cursos e unidades.

Para o pró-reitor de Graduação, Edmund Chada Baracat, “a USP está exercendo seu papel de transdisciplinaridade. Esse programa está alinhado à principal diretriz da Reitoria, que é fortalecer os laços com a sociedade. Essas atividades exercidas pelos alunos de Graduação levam a USP para fora de seus muros, mostrando o que é a Universidade principalmente para os estudantes do ensino fundamental da rede pública”.

 

com informações do Jornal da USP