Residência artística em instituições públicas dá origem a série de podcasts sobre justiça e direitos

Programa busca descomplicar o sistema judiciário brasileiro e seu papel político; série é resultado de visitas a uma vara da infância e da juventude na zona leste de São Paulo 

 

O projeto Fórum de Investigações Poéticas é fruto do programa Residência Artística no Setor Público (RASP), com direção do artista plástico e pesquisador Daniel Lima, doutorando no Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais (PPGMPA). A ideia é usar a narrativa transmídia para ampliar a compreensão da sociedade civil acerca das instituições públicas, além de construir processos e objetos em colaboração com os funcionários desses órgãos.

 

No RASP, um artista vivencia o cotidiano de uma repartição pública durante um ano. Em sua residência, iniciada em 2019, Daniel realizou três meses de visitas ao Fórum Brás das Varas Especiais da Infância e da Juventude, na cidade de São Paulo. Após perceber a necessidade de colocar no papel a prática e os conceitos dos processos jurídicos, o artista elaborou uma cartografia daquele espaço e de suas estruturas, em um trabalho que contou com a parceria do jornalista, designer e fotógrafo Fernando Sato, da produtora Lais Ribeiro e do pesquisador Felipe Teixeira. O resultado é um cartaz que informa sobre a importância da criação do Estatuto da Criança e do Adolescente, explica significados de termos jurídicos e apresenta os diferentes papéis dos profissionais do Direito que atuam nas Varas da Infância e da Juventude.

 

Com a imposição do distanciamento social decorrente da pandemia, o artista deu início à produção de podcasts poéticos que buscam descomplicar o sistema judiciário brasileiro e refletir criticamente sobre ele por meio de bate-papos com servidores públicos, pesquisadores, ativistas e outras pessoas envolvidas com o tema. Com quatro episódios mensais, a série foi lançada em agosto. Diversas manifestações artísticas, como poesia, músicas autorais e mixagens também têm lugar garantido em cada programa.

 

Para Daniel Lima, a arte provoca outra forma de sensibilização, diferente da palavra objetiva. "Ao atingir este campo de afetações, tem-se um poder de transformação enorme, seja na capacidade de perceber o mundo, seja na capacidade de acionar afeto pelos pares profissionais com quem se trabalha, a sua equipe, assim como acionar afetos também por quem eles atendem. É o que chamam de 'humanizar' as relações."

 

O episódio mais recente do Fórum de Investigações Poéticas foi lançado no dia 4 de novembro e tem como tema a crescente presença do judiciário no debate político e social no Brasil. Os convidados são Conrado Hübner Mendes, professor da Faculdade de Direito (FD) da USP; Sergio Suiama, procurador da República do Estado do Rio de Janeiro; e Márcia Lucena, prefeita da cidade de Conde, no estado da Paraíba. O programa conta ainda com as participações dos artistas Toninho Ferragutti, Thiago Alves e Roberta Estrela D'Alva.

 

A série complesta está disponível no Spotify e no Youtube. Nos dois primeiros episódios, o programa abordadou as contradições em torno do Estatuto da Criança e do Adolescente  que completou 30 anos em 2020 –, e a imparcialidade da justiça em uma sociedade estruturalmente desigual, como é o caso do Brasil.

 

 
Ilustração do artista Senegâmbia para o segundo episódio do Fórum de Investigações Poéticas.
 

 

Saiba mais sobre a Residência Artística no Setor Público

O projeto Residência Artística no Setor Público (RASP) nasce de uma visão de valorização do profissional do setor público e entende que a transformação da sociedade passa pela transformação do Estado, que afinal é composto por individualidades. Criado em 2018 pela organização social República.org junto com a produtora Automatica e o Instituto Betty e Jacob Lafer, o programa teve início no Rio de Janeiro com dois artistas.

Além da Justiça de São Paulo, a iniciativa já esteve presente em outras instituições públicas do país, como a rede municipal de ensino de Belo Horizonte (MG), a Superintendência Estadual do Meio Ambiente (CE) e a Penitenciária Pública Joaquim F. Sousa (RJ), entre outros.