Saiba mais sobre as Agências Juniores da ECA

Aplicar o conhecimento na prática. Quando o assunto é estar pronto para o mercado de trabalho, essa é uma das principais habilidades que um universitário pensa em desenvolver durante seus anos de estudo. E, com essa ideia de criar oportunidades para que os alunos entrassem em contato com experiências reais de trabalho, foi criado, em 1967, na L’Ecole Supérieure des Sciences Economiques et Commercials, o conceito de Empresa Júnior.               

Uma Empresa Júnior é formada, assim como uma empresa real, por uma diretoria-executiva, departamento financeiro e de marketing, área de recursos humanos entre outras áreas, dependendo do campo de atuação. O grande diferencial da empresa júnior é ser gerida exclusivamente pelos alunos de graduação da universidade e não possuir fins lucrativos, prestando serviços e desenvolvendo projetos de qualidade, a preços abaixo do mercado, para clientes reais.

Na USP, a ideia chegou no final dos anos 80 e teve como pioneira, em 1989, a Poli Jr. Na Escola de Comunicações e Artes, a primeira Empresa Júnior (EJ) surgiu através de uma iniciativa por parte dos alunos de Publicidade e Propaganda, que desejavam ter mais contato com o mercado de trabalho de uma forma diferente, criativa e empreendedora. É assim que surge a ECA Jr. que, juntamente com a Jornalismo Júnior e a Com-Arte Jr., formam as três agências da ECA.

Além de ser a primeira agência júnior da ECA e também a primeira agência júnior de comunicação do país, a ECA Jr. atua nas áreas de Publicidade e Propaganda, Relações Públicas e Turismo, e se encontra há mais de 20 anos prestando serviços para micro e grande empresas como, por exemplo, Gerdau e Camargo Corrêa. Dentre alguns dos eventos anuais organizados pela área de Relações Públicas, pode-se destacar o Café Acadêmico, que já trouxe personalidades como Jô Soares, Roberto Justus e Washington Olivetto para ter uma conversa informal com os estudantes. A capa do manual da FUVEST também é de responsabilidade dos diretores de Publicidade e Propaganda, que passam por um longo processo até chegarem a um conceito final.

Para concorrer a uma das vagas de diretor, o aluno deve ser do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP) e  se candidatar em um  processo seletivo que tem duração de duas semanas e ocorre em meados do primeiro semestre. Cada gestão fica 14 meses dirigindo a agência, localizada no prédio 3, trabalhando de segunda a sexta, das 14h às 18h.

Do Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE), vem a empresa júnior mais nova da ECA, a Jornalismo Júnior. Popularmente conhecida como J. Júnior, foi criada em maio de 2004 com o objetivo de levar aos alunos a oportunidade de ter contato com a prática, conhecendo campos de atuação para poder explorar com quais áreas têm afinidade. Segundo a presidente Roberta Mendonça, quem participa do projeto, agrega conhecimento, desenvolve relacionamentos e chega mais preparado no mercado de trabalho.

A J. Júnior atua desenvolvendo serviços em produção de conteúdo para diversas plataformas e assessoria de imprensa e comunicação integrada. E, mesmo com poucos anos de existência, já organizam projetos de grandes proporções como a Semana de Fotojornalismo, que esse ano chega a sua 6ª edição trazendo grandes nomes da área. E, atualmente, possuem uma parceira com a Farma Jr. desenvolvendo um periódico, a Bioativo, com artigos científicos desenvolvidos pelos alunos da Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Todo aluno de jornalismo pode colaborar na J. Júnior, basta passar por uma semana de treinamento, com workshops e palestras, e uma entrevista para ser avaliado qual o perfil do interessado e sua área de atuação. Não há turnos fixos de trabalho, apenas reuniões semanais para definição de pautas e reportagens. A J. Júnior está localizada no prédio 2, Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE).

Também localizada em uma das salas do prédio 2 do CJE, encontra-se a Com-Arte Jr., empresa júnior dos alunos do curso de Editoraçāo. Foi fundada em 1999, não só com o objetivo de estreitar a relação entre área acadêmica e prática, mas também como forma de divulgar o curso. Hoje, atuam como uma prestadora de serviços, diagramando livros e revistas. O processo seletivo é baseado em workshops de programas como InDesign e Photoshop, mas todo aluno da ECA pode participar.

A Com-Arte Jr. também realiza eventos como o Fórum de Editoração, que costuma acontecer no final do ano e também o The Edit 40, um ciclo de debates em comemoração aos 40 anos do curso de Editoração, realizado mês passado.

Hoje, há mais de 30 EJs na USP e mais de mil em todo o Brasil. E, mesmo com alguns problemas que as empresas juniores venham a enfrentar, por falta de estrutura ou apoio dentro da universidade, elas oferecem serviços de qualidade à comunidade e à ECA, mostrando o potencial que os alunos têm.

“As agências têm papel fundamental a partir do momento em que servem como ponte entre universidade e mercado e, mais do que isso, têm um papel social de dar retorno ao que a sociedade investe em nossa educação.”, diz a diretora de Comunicação da ECA Jr. e que fala da experiência pessoal “Com certeza, ela intensifica a experiência do estudante dentro da faculdade.”