Ensino das culturas afro-brasileira e indígena é tema do 'Diversidade'

06/08/2016 14:00

Diversidade em Ciência deste sábado (6/8) recebe a socióloga Dilma de Melo Silva, professora do Departamento de Comunicações e Artes (CCA), e do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Integração da América Latina (Prolam-USP), para falar sobre as leis 10.639 e 11.645, que tratam do ensino da história da África e das culturas afro-brasileira e indígena, respectivamente. Também irá abordar como o fundamentalismo religioso e o conservadorismo têm acirrado a discriminação e a violência contra as  religiões   de matrizes africanas no Brasil.

Dilma estuda há décadas as questões étnicas, principalmente africanas e afro-brasileiras. É livre-docente com a tese “Arte afro-brasileira: origens e desdobramentos” e doutora com a tese “Os bijagós da Guiné-Bissau: subsídios para o estudo da transformação econômica tradicional e seus impactos culturais”, sendo as duas pesquisas desenvolvidas na USP. No mestrado elaborou a dissertação “A sociologia e o terceiro mundo”, na Uppsala Universitet, na Suécia. Em 2008, fez o pós-doutorado na Kyoto University, no Japão.

É autora dos livros Por entre as Dórcades Encantadas: os Bijagó da Guiné-Bissau (Terceira Margem, 2007); Makiguchi em Ação - Educando para a Paz (BSG do Brasil, 2001), dentre oturos.

                                              

Diversidade em Ciência é um programa de divulgação científica, voltado para as ciências da diversidade e direitos humanos, e vai ao ar toda segunda-feira, às 13h, com reapresentação aos sábados, às 14h. Tem direção e apresentação do professor Ricardo Alexino Ferreira, do CCA, e operação de áudio de João Carlos Megale. A gravação é feita nos estúdios do CCA, na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.

A Rádio USP-FM pode ser sintonizada em 93,7 MHz/SP ou também na página da Rádio USP.