Evento fala sobre curta-metragens no Brasil no final dos anos 1970

17/06/2019 18:30
17/06/2019 20:00

No dia 17 de junho, o grupo de História da experimentação no cinema e na crítica (HECC) realiza um cine debate sobre a Corcina (Cooperativa de Realizadores Cinematográficos Autônomos) e a Lei do Curta.

Com exposição de Lucas Parente, comentário de Alfredo Suppia, debate de Francis Vogner e Rubens Machado Jr. com mediação de Rafael Parrode, e relato crítico de Cristina Couto Melo, o evento falará sobre o “surto de curta-metragismo” no Brasil no final dos anos 1970 e a grande produção de obras no estilo pela Corcina. Entre 1978 e 1983, a cooperativa produziu aproximadamente 50 filmes e distribuiu mais de 70 entre festivais e salas do circuito exibidor. 

“Acreditamos, portanto, que a CORCINA possa ser analisada como uma síntese das tendências econômicas e estéticas do cinema da época, provavelmente a última utopia do cinema brasileiro em película, na fronteira do neo-liberalismo internacional que colocaria tudo de ponta-cabeça, lançando o cinema nacional em um período de trevas”, dizem os organizadores. 

Os seguintes filmes serão exibidos:
Os Sonacirema , de André Parente.
A venda, de Lucio Aguiar. 
Cildo Meireles, de Wilson Coutinho. 
Era uma vez, de Jorge Abranches. 
Cinemas fechados, de Sérgio Péo. 
Angela Noite, de Roberto Moura. 
Acorde maior, de José Inácio Parente.

Para saber mais sobre os debates organizados pelo HECC, acesse o site.

Serviço:
Cine debate: A Corcina e a Lei do Curta: auge e crise do curta-metragismo brasileiro?

Dta: 17 de junho
Horário: 18h30
Local: Auditório B, 1º andar - CTR (Prédio 4)