ECA marca presença na Feira USP e as Profissões

Nos dias 22, 23 e 24 de agosto, aconteceu no Parque de Ciência e Tecnologia (Parque Cientec) a Feira USP e as Profissões. Em sua 13ª edição, o evento visa apresentar aos alunos de ensino médio as diversas possibilidades de cursos oferecidos pela Universidade, tanto no campus da capital quanto nos campi do interior. Nos três dias, a ECA marcou presença com um estande muito movimentado, talk shows e workshops dos diferentes cursos. 

Os monitores foram os próprios alunos de todos os cursos oferecidos pela ECA. Para Thiago Gentil, aluno de Editoração do segundo semestre, esta edição da Feira foi ainda mais simbólica por um motivo: “Conheci meu curso na edição passada e senti nesse ano o quão bom é inspirar as pessoas para que conheçam melhor a Universidade e seus futuros cursos.”

Nos três dias de evento, o estande esteve recheado de alunos de ensino médio, de preparatórios de vestibular e até mesmo de ensino fundamental. Perguntas sobre a rotina do curso, as possibilidades de atuação e também sobre o mercado de trabalho foram frequentes. 

“Durante as conversas, foi possível sanar dúvidas que perturbam quem vai prestar vestibular. A preocupação urgente em torno do mercado de trabalho para o jornalista e a suposição de que não há necessidade de diploma foi combatida por nós, alunos, que sabemos a importância da graduação. Ademais, a presença de jovens vindos de lugares distintos geograficamente e socialmente foi imprescindível, pois ressalta a importância da universidade pública em um contexto nacional”, comenta Camila Paim, aluna do segundo semestre de Jornalismo.

Além dos estandes montados do início ao fim da feira, a ECA também realizou talk shows em dois dias do evento, no palco reservado para atividades performáticas. Em um formato mais descontraído e com participação da plateia, os alunos falaram sobre temas relacionados a seus cursos, explicando mais sobre eles e relacionando-os com tópicos de interesse geral. O talk show do curso de Música, por exemplo, falou sobre a poluição sonora que afeta as grandes cidades todos os dias e o papel do músico nessa realidade. 

Outra oportunidade mais dinâmica e que permitiram mais contato com os visitantes foram as salas de bate-papo com os professores. Para o docente do Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE), Wagner Souza e Silva, "é um momento importante, em que se consegue relatar com mais calma aspectos do curso. É uma conversa que quase beira um bate-papo em família, porque os pais também costumam participar". Para ele, momentos como esse precisam ser mais frequentes, pois ultrapassam a mera curiosidade e realmente inserem o aluno no universo do curso.  

Os workshops também foram uma oportunidade para que os visitantes tivessem mais contato com a atuação de cada profissão representada. Uma das preocupações também foi manter um gancho com a atualidade e com o vestibular, por meio dos temas ou mesmos das propostas. O workshop oferecido em conjunto pelos cursos de Jornalismo e Editoração, por exemplo, tinha enfoque na redação do vestibular, com dicas de escrita e interpretação de texto.

Hellen Sabino, aluna do curso de Música, conta que o workshop A situação atual da música no Brasil e seus processos foi muito inspirador, até mesmo para ela, que teve mais certeza que o curso escolhido foi o certo. “Foi um imenso prazer dar uma luz a essas pessoas que vinham até nós. Os olhos até brilhavam quando perguntavam, ‘Como é estudar música na USP?’. É incrível ver a motivação, os processos e ciclos de cada ser. Eu pude ver e aprender com cada um!”

Camilla Oliveira, aluna do segundo ano do ensino médio, viu no workshop de Relações Públicas,  Resolução de case, criação de imagem e evento, a chance de conhecer mais sobre o curso, que tinha sido indicado por sua professora. A vontade de misturar diversas áreas de seu interesse – jornalismo, publicidade e relações internacionais – foi contemplada quando ela descobriu RP. 

“Eu fiz um caderno com tudo que eu achava sobre o curso. Até as matérias da faculdade eu já sabia quando fui na feira, mas nunca tinha tido um contato mais direto. Quando senti isso no workshop, eu não consegui me ver fazendo outra coisa. Só o leque de oportunidades do curso me deixa encantada!”, relata a  estudante. 

Giovanna Rotter, estudante de Audiovisual, foi responsável pelo workshop de Estrutura de roteiro cinematográfico no último dia de evento. “Fizemos uma atividade em grupo e os participantes, mesmo não conhecendo uns aos outros, se engajaram e se esforçaram muito com a criação da história. Suas próprias reações no momento do workshop e a fala de algumas pessoas, que posteriormente foram ao estande conversar mais diretamente sobre a profissão, foram muito gratificantes e nos deixam com vontade de participar novamente da feira, para poder ajudar ainda mais estudantes a entenderem e se apaixonarem pelo audiovisual.”

A ECA elaborou dois folders para distribuição, com o objetivo de divulgar os cursos oferecidos. O livreto De aluno para aluno – O que é estudar na ECA-USP? contou com registros dos próprios alunos da Escola, em uma linguagem mais informal e próxima do público-alvo.

“Mostrar parte da nossa produção no curso foi importantíssimo para quem nos visitou. Mais importante ainda foi poder dizer que tudo que proporcionamos na feira foi construído coletivamente. Não teve preço observar a galera com os olhos brilhando ao ver o estande, o manual De Aluno para Aluno, os workshops, além da nossa participação por fala”, relata Thiago, de Editoração. 

A Feira USP e as Profissões é organizada pela Pró-reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU) e ocorre duas vezes por ano, na capital e no interior. 

Texto: Maria Eduarda Nogueira
Fotos: Laura Toyama