Como o jornalismo pode contribuir para a avaliação de políticas públicas?

Trabalho de conclusão de curso apresentou levantamento e análise de dados sobre projeto educacional do município de Atibaia

“Acho que todo aspirante a jornalista carrega consigo uma ânsia de querer mudar o mundo. Eu acreditava (e sigo acreditando) que, para além das histórias que contamos, uma bela forma de fazer isso é por meio da educação.” Foi pensando nisso que Nara Siqueira Silva dedicou seu trabalho de conclusão de curso à análise do projeto Ler e Escrever: Fonte do Saber, que desde 2013 vem contribuindo para uma melhora consistente na capacidade de leitura e escrita dos alunos da rede municipal de ensino de Atibaia. 

O trabalho de Nara tomou como base um grande conjunto de dados referentes ao período entre 2013 e 2019, considerando os principais indicadores avaliativos brasileiros: Avaliação Nacional da Alfabetização, Prova Brasil, Sistema de Avaliação da Educação Básica e Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. O levantamento destas informações foi um dos principais desafios enfrentados pela estudante, já que os dados encontram-se espalhados em diversos sites e documentos governamentais, que não apresentam os métodos utilizados para apuração e consolidação dos números. 

O esforço valeu a pena. Ao demonstrar com precisão e riqueza de dados os resultados positivos do programa, Nara contribuiu para que os próprios agentes responsáveis pelo projeto tivessem melhores ferramentas para avaliá-lo. Márcia Bernardes, Secretária de Educação de Atibaia, fez parte da banca de avaliação do TCC e destacou o fato do trabalho apresentar uma consolidação de dados que seria útil para a Secretaria, pois trazia detalhes que a gestão ainda não havia conseguido levantar. 

Dois bons exemplos do sucesso do projeto Ler e Escrever: Fonte do Saber são o resultado da Prova Brasil de 2017 – em que os estudantes de Atibaia tiveram média superior às médias estadual e nacional em Língua Portuguesa – e a melhora do desempenho de alunos das escolas rurais. Para Nara, que nasceu, cresceu e mora em Atibaia, o avanço educacional nas áreas rurais foi uma boa surpresa. “Todo mundo olha para as crianças do centro, porque elas estão no nosso campo de visão. Mas e aquelas que vivem em sítios, têm a agricultura familiar como meio de subsistência, precisam dividir os dias entre a escola e a roça? Criança é criança independente do lugar onde mora. Se a proposta do governo é que o processo de alfabetização se conclua no 2º ano, aos 7 anos de idade, isso tem que valer para todo mundo.” 

Nara Siqueira Silva responde às considerações da banca, formada por Márcia Bernardes, secretária de Educação de Atibaia, e os professores André Chaves e Jean Pierre Chauvin, do Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE). Foto: Amanda Ferreira

Para o professor André Chaves, orientador do TCC, “a grande importância do trabalho do jornalista é você ter essa capacidade de analisar uma determinada situação e conseguir contribuir para a compreensão daquelas informações, daquele fenômeno social.” Segundo ele, o trabalho de Nara ajuda a divulgar uma iniciativa bem-sucedida, que assim pode vir a ser estudada e aplicada em outras cidades com realidade semelhante. André finaliza: “fica essa expectativa de que mais jovens procurem se dedicar a esses temas. Eu acho que é uma coisa que a gente precisa no Brasil – a cobertura da área de Educação –, que é uma demanda muito forte da sociedade.”

Quando se pensa no papel positivo que o jornalismo pode ter para a divulgação de iniciativas como a de Atibaia, Nara ainda ressalta outra questão norteadora de seu trabalho, e que muitas vezes passa despercebida: “a gente sabe o que acontece na China, nos Estados Unidos, na Venezuela, mas desconhece o que tem acontecido no quintal de casa.” Para ela, é necessário dar mais importância e espaço para notícias locais, que geralmente são aquelas cujo impacto em nosso cotidiano é sentido de forma mais direta, como é o caso das políticas aplicadas pelas administrações municipais. 

Nara acredita que em um país como o Brasil, onde coexistem redes municipais e estaduais de ensino, há uma infinidade de boas iniciativas por desbravar. Agora, com o TCC finalizado, ela pretende disponibilizar os dados levantados em um portal, além de considerar o prosseguimento de estudos sobre o tema no mestrado. “Somos em mais de 5 mil municípios, cada um com sua proposta e metodologia pedagógica. Quantas não são as iniciativas exitosas que sequer ficamos sabendo que existem? Precisamos divulgar mais isso. Se uma cidade testou algo e deu certo, por que não compartilhar com as outras? Estamos falando de crianças, de futuro! Não tem outra opção que não fazer o melhor. Sempre. Os munícipes também precisam ter conhecimento desses resultados. É o dinheiro deles, afinal.”