Alunos do CJE ganham prêmio com projeto audiovisual sobre bairro do Bixiga

Os componentes do grupo Fernanda Giacomassi e José Paulo Mendes foram a Vitória participar da Expocom. Foto: Rosane Zanotti.

Um grupo de alunos do Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE) foi premiado no Congresso de Ciências da Comunicação da Região Sudeste, que aconteceu nos dias 3, 4 e 5 de junho, em Vitória (ES). 

Com o tema “Fluxos comunicacionais e crise da democracia”, o congresso teve como parte da programação a Exposição de Pesquisa Experimental em Comunicação (Expocom), na qual mais de 260 projetos de estudantes de graduação foram inscritos. Dentre 64 categorias avaliadas, o projeto “Bixiga: um bairro de mil faces” dos alunos Álvaro Logullo Neto, Diego Caldas Smirne, Diogo Vassão Magri, Fernanda Giacomassi, Gabriel Rechiche de Campos, José Paulo Mendes Gomes, Marcos Hermanson Pomar, Mateus de Lucena Feitosa, Nelson Niero Neto e Vinícius Sayão. 

Fruto de uma série jornalística produzida para disciplina “Projetos em Televisão”, ministrada pela professora Mônica Rodrigues Nunes, o projeto demorou aproximadamente três meses para ser terminado. “O desafio de passar por todas as etapas, da escolha de pauta a edição final de vídeo, nos proporciona uma experiência jornalística ampla que é muito importante na nossa formação”, comenta Fernanda Giacomassi, uma das componentes do grupo e que esteve em Vitória para apresentação do trabalhos. 

“Nosso objetivo foi explorar as diferentes peculiaridades que fazem do Bixiga um lugar tão icônico, mostrando, através dos olhos de quem vive o ‘bairro’ todos os dias, a importância da preservação e resistência de sua memória”, relata a aluna. 

“Buscamos também apresentar as histórias apagadas da região, que muitas vezes são deixadas de lado pela cobertura midiática tradicional e pelo apelo turístico muitas vezes superficial da área”, acrescenta. Mas esse não foi um trabalho fácil. A pesquisa histórica exigiu que o grupo dedicasse um mês entrevistando pessoas no Bixiga, para que pudessem fugir dos estereótipos. 

Participantes da etapa Sudeste. Foto: Rosane Zanotti

Rumo ao Congresso

Fernanda relata que desde o fim da disciplina, em junho de 2018, a professora Mônica já falava sobre a possibilidade inscrever o projeto para o Congresso. Mas foi somente nessa ano que a ideia tomou forma: os alunos fizeram a inscrição por sua própria conta e a docente os indicou para o Intercom. 

Os caminhos para participar da Expocom não foram fáceis. Fernanda Giacomassi e José Paulo Mendes, os membros do grupo que foram à Vitória, arcaram com todos os custos. Em setembro, acontece o 42º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, para o qual os vencedores da etapa Sudeste foram convidados. Mas ainda é incerto se o grupo conseguirá participar. 

Projeto da ECA, equipamentos próprios

Outra dificuldade foi a disponibilidade de equipamentos. Os alunos tiveram que usar equipamentos próprios na maior parte do tempo – desde câmeras a softwares de edição. “Tenho certeza que mais projetos da escola seriam reconhecidos nacionalmente se houvesse um melhor direcionamento de verbas no departamento e um investimento em infraestrutura”, comenta Fernanda. 
Isso tem influências também no fato de que inscrições para projetos assim são raras na Escola. "Acho importante apontar que ninguém mais da ECA se inscreveu em nenhuma categoria. Isso é ruim e triste porque muita coisa feita aqui conseguiria ao menos ser parte do Expocom e ampliaria o diálogo da ECA com outras faculdades de comunicação nacional", diz José Paulo Mendes. 

Inovações no Departamento
O Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE), sob a chefia do professor André Chaves de Melo Silva, está em busca de renovações em sua estrutura, para melhor atender os alunos, docentes e funcionários. Recentemente, foi assinado um termo com a Fundação para o Desenvolvimento das Artes e da Comunicação (Fundac) para doação de diversos equipamentos para os Laboratórios/Estúdios de Rádio e Televisão do CJE ao longo de 2018. Reformas na infraestrutura elétrica do Departamento e nos laboratórios também estão previstas. Com isso, toda a comunidade do CJE terá mais recursos e apoio para desenvolver seus projetos.