Brasileiro lê pouco. E a solução para esse problema está nas crianças

Projeto desenvolvido por professor de Biblioteconomia mostra que é preciso incentivar as crianças a tomarem gosto pela leitura para ter bons resultados a longo prazo

 

Uma pesquisa desenvolvida pelo Instituto Pró-Livro, em 2016, mostra que o brasileiro lê, em média, 2,43 livros por ano. Uma média baixa, em comparação, por exemplo, aos franceses, que atingem a marca de 21 livros anualmente. 

As razões para esse fenômeno são muitas, mas uma delas pode ser a dificuldade de tomar gosto pela leitura desde a infância. Considerando o contexto atual, em que diversas telas competem pela atenção da criança, essa missão se torna mais difícil ainda. 

Nesse sentido, iniciativas como o livro infantil Biblioteca: um lugar mágico se tornam promissoras em um país que luta para formar gerações de leitores. A obra, lançada no Portal de Livros Abertos da USP, é parte do projeto de pesquisa do professor Francisco Paletta, do Departamento de Informação e Cultura (CBD), desenvolvido com apoio da Fapesp. 

O projeto Busca, recuperação e organização da informação e do conhecimento na web de dados procura entender como o usuário lida com as informações na internet. “Eu tenho avaliado várias faixas etárias para tentar entender o comportamento do usuário em relação ao livro”, comenta Paletta. Durante a pesquisa, que está em andamento, o professor viu a necessidade de olhar também a criança como usuário. 

A ideia de começar pelas menores faixas etárias parte do princípio de que uma criança que aprende a gostar de livros saberá como melhor conservá-los ao longo da vida. O livro foi pensado para mostrar de forma didática e divertida a importância dessa conservação. Para isso, houve a ajuda do professor Waldomiro Vergueiro, também do CBD. “Numa conversa com o professor, a gente decidiu que ia ser em formato de história em quadrinhos, tentando transformar a ida da criança na biblioteca em uma aventura”, conta Paletta. 

Ao longo da história, o livro procura ter um viés pedagógico. As crianças na história participam de uma oficina de restauro de um livro que está em péssimas condições. “O objetivo é mostrar para a criança que o livro precisa de cuidado”. 

Foto: Pixabay

 

Expansão do projeto

O livro foi lançado digitalmente, mas o professor conta que o objetivo é ter cópias impressas para trabalhar com crianças em escolas e bibliotecas públicas, promovendo atividades tais como as que os personagens do livro vivenciam. Isso faz parte do projeto Livro e Leitura, que almeja espalhar o gosto pela leitura entre as crianças brasileiras. 

Em 2020, será lançado o segundo livro da coleção, com enfoque no livro digital e no uso da internet durante a infância. Francisco Paletta colabora com o instituto americano Better Internet for Kids, que luta por uma rede mais segura para as crianças.

O projeto terá ainda uma pulblicação final, de caráter acadêmico, relacionada diretamente ao projeto Fapesp, que lida com a preservação e conservação da informação digital.

“A ideia agora é encontrar professores e alunos que estejam interessados no projeto e inseri-los em um grande projeto de extensão”, comenta o professor Paletta. Os alunos não têm que ser necessariamente do CBD para atuarem como multiplicadores do projeto.