Canal Montagem CTR divulga exercícios de alunos do Audiovisual

Público-alvo é composto por estudantes, professores e apreciadores de cinema e audiovisual

Conhecida por muitos como edição, a etapa trabalhosa e fundamental para a realização de uma obra audiovisual recebe outro nome dos profissionais brasileiros: montagem. Uma das explicações para a preferência por essa nomenclatura está na diferença de significado entre os verbos editar e montar. Enquanto editar tem a ver com apagar trechos e corrigir erros, montar significa unir partes de um todo. Assim, a montagem audiovisual não se caracteriza pelo mero acionamento de botões para cortar imagens seguindo à risca um roteiro pré-definido. A montagem é um trabalho de caráter técnico e criativo, capaz de trazer novos olhares e narrativas para imagens e histórias que já tínhamos concebido antes. 

Impressionada com o talento dos alunos do curso de Audiovisual para trabalhar com materiais já disponíveis, a professora Cecília Mello teve a ideia de criar um canal no Youtube para que qualquer interessado pudesse ter acesso aos exercícios realizados pelos estudantes ao longo da disciplina “Montagem III”. Com o auxílio das alunas Letícia Midori Sillmann e Graziela Peres Zanfra, bolsistas do Programa de Estímulo ao Ensino de Graduação (PEEG), o canal foi estruturado e finalmente lançado em novembro de 2019. 

“Na disciplina entramos em contato com diferentes linguagens, formas e ferramentas para a construção audiovisual com enfoque na área da montagem. Nos trabalhos tentamos tanto identificar essas ferramentas quanto replicá-las, seja através de imagens de obras preexistentes ou de acervos pessoais”, dizem Letícia e Graziella. Ao longo da disciplina, dois tipos de exercícios práticos são propostos: os ensaios audiovisuais (ou video essays) e vídeos de found footage. Os ensaios audiovisuais utilizam material pré-existente de alguma obra audiovisual ou de outra arte para expandir o conhecimento sobre algum tema, que pode ser um filme, um diretor, uma música, etc. Já o found footage parte de imagens e sons produzidos por terceiros (vídeos domésticos, por exemplo), procurando atribuir-lhes outros significados. “Aqui, a liberdade poética é total, e os alunos podem dar vazão à sua expressão artística”, comenta Cecília.   

Foto: Mariana Chama.

Em 2014, primeiro ano em que a professora propôs exercícios de found footage, a turma trabalhou com um material então recém-descoberto: imagens filmadas e nunca utilizadas por Orson Welles durante seu período como líder do Mercury Theatre em Nova York. Em relação aos ensaios audiovisuais, Cecília chama atenção para o fato de haver muitos vídeos desse tipo na internet, realizados por influenciadores, cinéfilos e fãs. “Há, por outro lado, uma tentativa de transformar esse tipo de expressão em algo equivalente a um artigo científico, seguindo as regras de avaliação cega por pares. A revista pioneira nesse campo é a Audiovisual Thinking."

Para criar o canal, Letícia e Graziella fizeram contato com ex-alunos solicitando autorização para que os trabalhos fossem exibidos. Além disso, as estudantes organizaram dezenas de gigabytes de material, criaram a proposta estética do perfil no Youtube e prestaram apoio didático e técnico à professora Cecília e aos alunos da disciplina. “O acompanhamento e o apoio dos monitores dentro e fora da sala de aula vem se mostrando essencial para garantir o bom andamento de disciplinas complexas como as de montagem, que combinam teoria e prática, exercícios dentro e fora da sala de aula, e desafios constantes para os alunos”, afirma Cecília. 

Clique aqui para acessar o Canal Montagem CTR. 

A formação de um montador

A grade do curso de Audiovisual possui hoje três disciplinas de montagem: Montagem I, obrigatória e oferecida no segundo semestre do primeiro ano, se divide em uma parte teórica-analítica, em que são abordados conceitos da linguagem cinematográfica e um panorama histórico da montagem. Para isso, a disciplina se apoia na análise de trechos de filmes, que permitem também a discussão sobre questões da montagem na teoria do audiovisual. A segunda parte, prática, é dedicada à realização de exercícios no software Adobe Premiere, com atendimentos individuais. 

No primeiro semestre do terceiro ano, os alunos podem escolher cursar Montagem II. A disciplina enfoca aspectos teóricos e práticos com mais profundidade, procurando estimular uma perspectiva crítica sobre o tema. Nas aulas práticas, os alunos montam os exercícios livres realizados pela turma no semestre anterior, assim como os trabalhos realizados na disciplina Documentário II, integrando assim outras matérias da grade. 

Em seguida, vem Montagem III, também optativa, com um programa mais flexível e maior possibilidade de experimentação nos exercícios. O objetivo é ampliar a reflexão teórica e analítica sobre a montagem cinematográfica. Além dos exercícios de video essays e found footage, a disciplina promove a análise de obras audiovisuais de diferentes formatos, incluindo longas de ficção e documentário, videoclipes e séries. Também discute as articulações da montagem com a direção e o roteiro, diferentes modalidades de montagem e a questão do ritmo, central para o trabalho dos montadores.