Canteiros e matrizes (uma catedral interior) é tema de doutorado em cartaz no Espaço das Artes

Nesta semana, Paula Gabbai se doutorou na área de Artes Visuais Poéticas Visuais pelo Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da ECA. Seu trabalho final Canteiros e matrizes (uma catedral interior) está exposto no Espaço das Artes, na Cidade Universitária, até o dia 13 de abril. As visitas podem acontecer de segunda a sexta-feira, das 9h às 20h.

A artista estudou arquitetura na FAU e, em 2013, ingressou no mestrado na ECA. Após um ano, a banca de qualificação a indicou direto para o doutorado, finalizado agora em 2018.

Idealização e processo

O ponto de partida de seu trabalho foi a catedral: “uma metáfora para se pensar em algo que se refere ao edifício, algo que se refere ao corpo humano.”

Paula contou que o processo de criação de suas obras teve início com gravuras e, após se debruçar sobre elas, pensou na construção dos desenhos feitos e no que eles apontavam. Com isso, a artista ampliou a linguagem para outras formas de arte, como a escultura e os ensaios fotográficos.


Gravura e a chapa de metal que serviu para formar o desenho

Um exemplo foi o processo de criação da coluna vertebral, obra principal da exposição, já que representa a catedral. Após fazer uma gravura com essa forma e construir uma escultura de coluna, Paula voltou às gravuras: “à medida que o tempo ia passando, eu ia mexendo na forma da primeira gravura e ela ia sugerindo outras formas; construía outras obras e voltava para a gravura”, conta a artista.

Figuras

Paula explica que a coluna “condensa algumas relações do desenho e da arquitetura que me interessam desenvolver sobre diversas linguagens plásticas – como gravura e escultura.”

A escultura abaixo é a única em ferro fundido. A artista conta que escolheu o ferro, e não o bronze, material mais utilizado em esculturas, porque é mais barato, mais fácil e simples de encontrar e o resultado é parecido.


Gravura e escultura de coluna vertebral

Em seu trabalho, ela compara as figuras da catedral e da coluna:

“Visualmente, a catedral é formada por eixos, linhas de força, múltiplas arestas e vértices que estruturam os cheios e vazios. É composta por planos desde a origem de sua densa base, na cripta, plantada no solo junto as pesadas fundações [...] Tal qual no desenho da coluna vertebral: a coluna é espinha dorsal, eixo que organiza o crescimento do corpo da base ao topo, em movimento ascendente."


Escultura de uma pedra

Outra figura utilizada por Paula foi a pedra. Ela conta que partiu de uma pedra que tem em seu ateliê para criar uma escultura e desenhos nas gravuras.

“Cada posição que você coloca da luz na pedra, ela se revela de uma forma totalmente diferente, mas, ao mesmo tempo, é um sólido único”, diz Paula, ao explicar por que se interessa por esse tipo de imagem.


Escultura de galo em chapa de ferro

“O galo está na catedral”, apresenta Paula, “se encontra lá na torre, no telhado da catedral e ele é uma espécie de rosa dos ventos. Isso também me atraiu, essa ideia de indicar uma direção para alguma coisa”.

A artista explica que a escultura foi feita em chapa de ferro, cortada no ateliê da ECA com a ajuda dos técnicos.

 

Texto e fotos: Mirella Coelho
Foto de capa: Paula Gabbai