Congregação manifesta preocupação quanto às próximas etapas da avaliação docente

Colegiado aponta a falta de informações sobre o montante de verbas destinadas à progressão e a ausência dos servidores técnico-administrativos no processo de avaliação

 

A Congregação da ECA aprovou em reunião realizada no dia 18 de novembro manifestação sobre o processo de avaliação para progressão de nivel na carreira docente. Aprovado no final de 2016 no Conselho Universitário, o sistema de avaliação é centrado em projetos acadêmicos das diferentes instâncias universitárias: as unidades de ensino elaboraram seus projetos e, a partir deles, os departamentos fizeram o mesmo. O processo de avaliação segue neste momento com a apresentação do projeto acadêmico do corpo docente e o início do ciclo avaliativo. 

Para ver o documento em pdf, clique aquiVeja abaixo a manifestação na íntegra:

 

Manifestação da Congregação sobre a avaliação para progressão na carreira docente

 

A Congregação da ECA, no intento de contribuir para o aprimoramento do sistema de avaliação e progressão na carreira que a Universidade vem implantando ao longo dos últimos anos, manifesta sua preocupação sobre o processo de progressão na carreira docente ora em curso, em torno dos seguintes pontos:
1. O gasto de energia dentro da Universidade para tal movimento em um momento em que mal nos recuperamos das ameaças inerentes à aprovação do PL 529;
2. O fato da progressão não incorporar o quadro de servidores técnico-administrativos, tão importantes e com carreiras tão defasadas quanto a de docentes;
3. A proximidade dos prazos em que este deve se concluir (final de 2021/início de 2022) com os da avaliação acadêmica e institucional (final de 2022), prevista pela Resolução USP 7272; 
4. A desinformação sobre o montante de verbas destinadas à progressão, e, especialmente, sobre quais os critérios de alocação destas verbas entre as diversas unidades e departamentos da universidade. Esta falta de transparência, nos parece, propicia um clima de desconfiança especialmente em relação à equidade do processo.
Por fim, expressamos nosso estranhamento em relação ao processo e alertamos para o problema da falta de informações, especialmente às assistências acadêmicas e direção das unidades. 

Congregação da ECA, 18 de novembro de 2020