Corpo:

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) da ECA preparou uma campanha para divulgar o trabalho da comissão. “Criamos uma série de materiais e deixamos nos departamentos, fizemos um outdoor, para dar visibilidade à comissão”, afirma Cláudia Lago, professora do Departamento de Comunicações e Artes (CCA) e presidente da CDH.

A comissão realiza tarefas para combater a violação e a discriminação. “Nosso trabalho não é apenas apurar denúncias ou coisas desse tipo, mas que também tem trabalho informativo”, segundo Cláudia Lago, “então, se um departamento está vivendo algum problema que tem a ver com a questão dos direitos humanos, a gente pode ser acionado para tentar conversar junto sobre o que fazer”. Além disso, estão sendo planejadas, para novembro, atividades de discussão sobre as cotas e permanência. 

Como acionar a Comissão?

Denúncias podem ser feitas pelo e-mail cdh.eca@usp.br ou diretamente com qualquer membro da comissão. “A rigor, a gente tem um representante de cada departamento, de cada coletivo, do CALC [Centro Acadêmico Lupe Cotrim], da pós-graduação etc”. Todas as denúncias são tratadas sigilosamente.

Integrantes da CDH

Professores:
Prof. Dr. Almir Antonio Rosa (CTR)
Profa. Dra. Cláudia Lago (CCA)
Prof. Dra. Dália Rosenthal (CAP)
Prof. Dr. Ivan Claudio Pereira Siqueira (CBD)
Prof. Dr. José Fernando Peixoto de Azevedo (EAD)
Profa. Dra. Karina Toledo Solha (CRP)
Prof. Dr. Rogério Luiz Moraes Costa (CMU)
Prof. Dr. Vitor Souza Lima Blotta (CJE)

Funcionários:
Andrea Carvalho Nobre Guerra (SCSELAQ)
Dário Aparecido Custódio (CCA)
Omair Guilherme Tizzot Filho (SVPOSGR)
Thaise Desirree Braga Lucena da Silva (SVREINT)
Vilma Ohata de Almeida (CJE)

Discentes:
Gabriel Razo (graduação)
Gean Gonçalves (pós-graduação)
Julia Fagundes (graduação)
Manuela Thamani (pós-graduação)

Corpo:

Em coluna Opinião para o jornal Folha de São Paulo, Paulo Roberto Nassar de Oliveira, docente do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP) e diretor da Revista Comunicação Empresarial (Aberje), escreve o artigo A liberdade de imprensa em perigo. O professor alerta para os riscos que enfrenta a liberdade de imprensa, assunto que ainda não participou das pautas eleitorais dos candidatos à presidência do Brasil.


Edição do jornal The Boston Globe com editorial em defesa da liberdade de imprensa, em 16 de agosto. Foto: Brian Snyder/Folha de São Paulo

Nassar ressalta a importância da imprensa para a sociedade e a democracia e como ela é essencial para o exercício ideológico, partidário e de costumes. Cita uma frase do jornal The Guardian: “A liberdade de imprensa no mundo está mais ameaçada do que nunca”, argumentando que o primeiro alvo de regimes ditatoriais é a censura de imprensa.

O docente faz referência a dados de ONGs internacionais, como o exemplo a pesquisa da ONG britânica Liberdade de Expressão sobre os jornalistas assassinados e presos em 172 países entre 2000 e 2006. Ademais, refere-se à ONG da França Repórteres sem Fronteiras e seu relatório anual sobre liberdade de imprensa nos países.

Nassar também ressalta algumas práticas jornalísticas que impactam positivamente no valor da imprensa, por exemplo, a checagem de dados verdadeiros e os pontos de vista éticos, estéticos e técnicos da profissão.

Os assinantes do jornal têm acesso ao conteúdo na íntegra aqui.

 

Corpo:

Em julho deste ano, Almir Antonio Rosa, mais conhecido por Almir Almas, professor do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão (CTR), assumiu a chefia do CTR. O professor é o primeiro negro a chegar ao posto de chefe do departamento. “Aliás, sou o único professor negro no departamento”, afirma Almir Almas.

Em sua gestão, ele pretende valorizar ainda mais as ações de cotas e a permanência de alunos que vieram de escolas públicas e que são pretos, pardos e indígenas. “A gente colocou as cotas antes da USP e tirou a prova específica para colocar alunos via SiSU”, explica. “Acho importante oxigenar o departamento com novas pessoas, novos pensamentos, novas classes sociais, novas raças. Isso traz ao departamento pensamentos que geram novos diálogos”.

Entre as suas ações também está divulgar mais as atividades do CTR. “O curso de Audiovisual é construído em cima das habilidades práticas e técnicas, com pensamento reflexivo e teórico de crítica, história e estética muito forte”, conta Almas. O professor acredita que este seja um diferencial do curso da ECA. “E a gente quer que isso – os exercícios que acontecem durante o curso – seja mais divulgado. O departamento já é bem conhecido e respeito pela qualidade dos trabalhos realizados por aqui. Por outro lado, sentimos que precisamos mostrar mais o que fazemos”.

Outro ponto importante no projeto acadêmico é valorizar a aproximação entre a graduação e a pós-graduação. “A pós-graduação acabou de fazer a VII Jornada Discente, que envolveu também os alunos da graduação como forma de intercâmbio”, afirma o professor. “Em conversa constante com a Pós-Graduação, estamos estudando formas de envolvimento, maneiras criativas de troca e parcerias”.

A luta pela melhoria dos laboratórios e por mais vagas de professores e funcionários também está em pauta: “a gente tem um parque de equipamentos que é um dos melhores do Brasil em cursos de cinema, mas precisamos mantê-lo atualizado, porque a qualidade dele reflete na qualidade do ensino que nós oferecemos”, conclui.


Novo chefe do CTR, Almir Almas quer divulgar mais os projetos que acontecem no Departamento. Foto: Divulgação/TV Brasil

Almir Almas é livre docente da USP desde 2017, com o trabalho Artes e Tecnologias, Mídias Digitais e Interativas e Inovações Tecnológicas: Ensino e Pesquisa. É graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e mestre e doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). É autor do livro Televisão digital terrestre: sistemas, padrões e modelos, entre outros livros e artigos e vice-diretor de Cinema da Sociedade Brasileira de Engenharia de Televisão (SET). Tem participação em diversos festivais nacionais e internacionais de cinema, vídeo e arte eletrônica. Atualmente, pesquisa a criação de conteúdos audiovisuais digitais interativos em multitelas, multiplataformas e ambientes imersivos com o Laboratório de Arte, Mídia e Tecnologias Digitais, em que atua como líder.

Corpo:

Até o dia 15 de outubro, o Centro de Estudos Latino-americanos sobre Cultura e Comunicação (CELACC) recebe a submissão de trabalhos para a quarta edição do Simpósio Internacional de Cultura e Comunicação na América Latina, evento que ocorrerá entre 12 e 14 de novembro na ECA.

A quarta edição do simpósio trará o Pensamento crítico latino-americano em debate: construção do conhecimento, investigações participativas e epistemologias descoloniais como tema principal. Ao todo, serão quatro mesas de discussão divididas entre os auditórios Freitas Nobre, no CJE, e István Jancsó, da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin. Haverá ainda espaço para apresentação de trabalhos acadêmicos que se relacionem com as temáticas de produção, circulação e fruição de bens culturais; comunicação, cultura e diversidade; territórios e conflitos urbanos.

Os interessados em participar da seleção de trabalhos deverão acessar a página do evento e preencher formulário com um resumo de até 1.500 caracteres. Após a inscrição, os trabalhos serão analisados por uma banca e os artigos selecionados serão apresentados durante o simpósio. O resultado da avaliação será divulgado até o dia 31 de outubro.

Coordenado por Dennis Oliveira, chefe do CJE, o CELACC é um núcleo de apoio à pesquisa da ECA que tem como proposta o estudo das relações socioculturais, políticas e econômicas na América Latina.

Corpo:

Nos dias 27, 28 e 29 de setembro, o Coro de Câmara Comunicantus, do Laboratório Coral do Departamento de Música (CMU), participa do Festival Internacional de Corais de Maringá (FIC) ,em sua 22º edição.  


Coro de Câmara Comunicantus: Foto: Divulgação/Comunicantus

Em cada atuação, o festival abre espaço para um coro se apresentar de forma gratuita sem cárater competitivo, sendo eles de várias regiões do Brasil e da América Latina. Neste ano, Marco Antonio da Silva Ramos, docente do CMU e regente titular do Comunicantus, foi convidado para cooperar com o maior evento de corais da região sul do país.

Dentre as atividades do grupo, haverá apresentações de arranjos da música popular brasileira e internacional, obras de Franz Liszt e Ernest Mahle. Além disso, Marco Antonio ministrará uma palestra e uma oficina para regentes do festival.

Formado por bolsistas de graduação do Programa Unificado de Bolsas da USP, o Comunicantus atua desde 2013 no desenvolvimento da prática e performance coral, contando com o apoio da Pró-Reitoria de Graduação.

Serviço:
22º Festival Internacional de Corais de Maringá
Data: 27, 28 e 29 de setembro
Horário: 20h
Local: Teatro Calil Haddad Maringá (Av. Luís Teixeira Mendes, 2500, Zona 05, Maringá)