Curta de alunos da ECA é indicado a prêmio de cinema ambiental

O curta-metragem documental 2000 e Água, realizado por seis alunos de jornalismo, está entre os cinco filmes selecionados para o Concurso Curta Ecofalante, da 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental. Produzido em 2014 sob orientação da professora Mônica Rodrigues, do Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE), o vídeo retrata o início da crise hídrica no estado de São Paulo e mostra o drama de muitas pessoas que sofrem com o problema do abastecimento de água. 2000 e Água será exibido durante a Mostra Ecofalante e concorre ao prêmio de Melhor Filme, pelo Júri e pelo Público.

Luiza Guerra, Guilherme Speranzini, Otávio Lino, Nicolas Gunkel, Carolina Santa Rosa e Frederico Gabre foram os alunos responsáveis pela direção, produção, roteiro e edição do filme. A ideia de pauta surgiu já no início de 2014, quando os seis perceberam que a crise hídrica seria um importante tema de discussão pública. Luiza Guerra explica: “Queríamos conscientizar as pessoas. Então pensamos no que envolvia a crise hídrica em São Paulo: explosão populacional, consumo, poluição, desigualdade e má gestão dos recursos hídricos disponíveis. Todos esses elementos aparecem ao longo do curta”.

Nesse sentido, 2000 e Água retrata não só o ciclo natural, como também o ciclo social da água em uma região violentamente urbanizada. O curta também mostra algumas consequências humanas, econômicas e ambientais do colapso hídrico. Ao mesmo tempo em que pretendia fazer um trabalho de conscientização das pessoas quanto ao problema da água, o grupo também buscou chamar a atenção da responsabilidade dos órgãos governamentais que deveriam investir em melhorias no abastecimento público.

Segundo Luiza Guerra, uma das partes mais trabalhosas da produção do filme foi a gravação na Represa Jaguari, em Bragança Paulista (SP). Além da necessidade de conseguir autorização da Sabesp para gravar dentro de uma área administrada pela empresa, o grupo ainda teve de viajar até o local com verba pessoal. No local da gravação, os seis estudantes enfrentaram um desafio ainda maior.

“Havia muita terra seca como deserto envolta da área que ainda estava alagada, algo que foi bem impactante. Porém, ao nos aproximarmos, nos demos conta de que muitas partes, embora estivessem secas, ainda estavam instáveis. Mais de uma vez me vi afundando ali, como se fosse areia movediça, só que de lama. No final, estávamos com lama até os joelhos. Não seria exagero dizer que arriscamos nossa própria pele por esse trabalho”, relata Luiza Guerra.

A 5ª Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental acontece entre os dias 27 de abril e 8 de maio de 2016. Realizado pela primeira vez em 2015, o concurso é voltado para produções audiovisuais universitárias de até 15 minutos que tragam temas relacionados ao meio ambiente.

Mais informações sobre o prêmio podem ser obtidas no site da Mostra Ecofalante.

Honrados pela indicação, Luiza Guerra, Guilherme Speranzini, Otavio Lino, Nicolas Gunkel, Carolina Santa Rosa e Frederico Gabre perceberam como a discussão sobre a crise hídrica em São Paulo segue relevante e atual. Luiza Guerra ainda afirma que a indicação é um sinal de que estão no caminho certo: “Somos estudantes de jornalismo, mas estamos concorrendo com estudantes de cinema e que são focados nessa área. Isso nos provou que temos condição de produzirmos um material audiovisual relevante e com uma qualidade cada vez melhor”.

Confira abaixo uma parte do curta-metragem 2000 e Água. O vídeo na íntegra pode ser  assistido no canal oficial do projeto no YouTube.

 

Texto: Gustavo Pessutti
Imagens: Divulgação / 2000 e Água