ECA ganha telhado vivo em evento que ensinou sobre o aproveitamento de espaços

A Escola de Comunicações e Artes realizou, na última terça-feira, dia 20 de setembro, a oficina de Criação do Telhado Vivo Leve da Escola, na laje da casa de máquinas, que fica ao lado do prédio central, próximo ao espaço de vivência. O projeto surgiu na disciplina de Educomunicação Socioambiental, ministrada pela professora colaboradora Carmen Gattás.

A proposta foi chamar a atenção para as melhores formas de ocupação de espaços da Universidade e a cocriação de sua paisagem, utilizando materiais reaproveitáveis, de baixo custo e baixo impacto ambiental, e técnicas de permacultura, ensinadas pelo permacultor Pedro Coelho Massela, estudante do Instituto de Biociências da USP e colaborador do Instituto Humanaterra.        

"Essas ações são uma ótima oportunidade para as pessoas adquirirem noções de sustentabilidade e aprenderem a trabalhar em conjunto", afirma Pedro.

   

 

Para o permacultor, aprender a fazer o melhor uso dos recursos disponíveis é uma questão de desenvolver o olhar e de receber uma educação ambiental. "Depois que descobri a palha utilizada na técnica de plantio adotada nesse projeto, quando vejo gente cortando grama pela cidade, meu olho brilha. Se eu vejo um caixote de madeira sendo jogado fora, já penso em como eu posso reaproveitá-lo".

Durante a oficina, todos os presentes tiveram a chance de colocar a mão na massa (nesse caso, na terra) e participar de todo o processo, desde a preparação da palha até a pintura da estrutura que abriga o novo telhado vivo, feita à base de terra e amoras amassadas.

  

 

     

Em um outro projeto da disciplina de Educomunicação Socioambiental, os espaços da Universidade explorados foram seus "jardins produtivos", áreas abandonadas ou que não tinham nenhuma finalidade, que foram transformadas em hortas. Foi produzido um vídeo para incentivar o crescimento desse movimento na USP, que pode ser encontrado no canal "Jardins Produtivos", no Youtube.

"Eu acredito muito no poder dos espaços. Quando a gente transforma o espaço, a gente transforma os costumes das pessoas e a forma com que elas se relacionam. Um lugar que está sendo cuidado, que ganha um banco, um telhado vivo, melhora a vida e o astral das pessoas", explica Pedro.

 

 

Texto: Mariana Rosa
Fotos: Eduardo Peñuela