Espaço das Artes recebe duas novas exposições em curta temporada

O EdA – Espaço das Artes da ECA apresenta as exposições Silêncio invertebrado, de Arturo Gamero, e Ibirapitanga: rastros e impressões, de Fabíola Salles Mariano, ambas resultantes de pesquisas em nível de mestrado e de doutorado no Departamento de Artes Plásticas (CAP). As mostram ficam em cartaz até o dia 22 de setembro, de segunda a sexta-feira, das 9h às 20h.

As exposições dão continuidade a uma das frentes de atuação do EdA, que traz a público a produção artística gerada na pós-graduação dos departamentos de artes da ECA. Em Silêncio invertebrado, Arturo Gamero reúne parte da produção realizada ao longo de sua pesquisa, que envolveu questões como ‘O que é a face?’ ‘O que é o olhar?’ ‘O que me impede de ser aquilo que observo?’, que nortearam o desenvolvimento de seu trabalho. A partir das duas seções de sua dissertação, uma dedicada à produção propriamente visual e outra composta de cinco cadernos de textos, a exposição apresenta regimes variados de escrita que descrevem paisagens, estados mentais, sensações, sonhos, que amplificam a noção de autorretrato, além de desenhos, gravuras e objetos.

Silêncio invertebrado, de Arturo Gamero

Por sua vez, Ibirapitanga: rastros e impressões é o título da pesquisa de doutorado em poéticas visuais de Fabíola Salles Mariano que investiga os usos do corante do pau-brasil, ou ibirapitanga como denominada pelos indígenas, seus resquícios históricos e as possibilidades de atualização de seu uso no contexto contemporâneo. Lida com o histórico dos usos do corante do pau-brasil (ou ibirapitanga, para os indígenas), herança cultural de povos antigos e seu gosto pelo púrpura e pelo carmim. A árvore foi explorada de modo conflituoso no território brasileiro, a partir do ‘encontro’, não só do homem com o material, mas de homens com homens, desde que os europeus do século XVI fizeram as primeiras viagens para a América do Sul. Com base nesse histórico, a exposição apresenta pinturas, desenhos e gravuras, trabalhando algumas possibilidades do uso do pau-brasil no contexto contemporâneo.  

Ibirapitanga: rastros e impressões, de Fabíola Salles Mariano

Sobre os artistas

Arturo Gamero formou-se em Filosofia pela FFLCH-USP em 2011. Entre 2011 e 2013, atuou como artista formador na SP Escola de Teatro. Em 2013 lançou Favos, livro de sua autoria pela editora Lumme. Iniciou sua pesquisa de Mestrado em Poéticas Visuais na ECA-USP, em 2015, sob orientação de Claudio Mubarac. Em 2017, realizou sua primeira exposição individual, intitulada Primeiro ato, na Oficina Cultural Oswald de Andrade, em São Paulo.

Fabíola Salles Mariano é formada em Comunicações das Artes do Corpo pela PUC-SP (2005) e em Artes Plásticas pela ECA (2008). Mestre em artes visuais também pela ECA (2012), desenvolveu pesquisa de doutorado em Poéticas Visuais, sob a orientaçnao de Marco Gianotti. Participou de exposições coletivas e individuais como Verbo (Galeria Vermelho, 2006), Impulso (Galeria Emma Thomas, 2008), SPA das Artes Recife (2010), Cinza-cor-de-pele (MAC-USP, 2012) e Programa Nascente (Maria Antonia-USP, 2016),

Serviço:

Exposições Silêncio invertebrado, de Arturo Gamero, e Ibirapitanga: rastros e impressões, de Fabíola Salles Mariano
Data: até 22 de setembro
Horário de visitação: de segunda a sexta-feira, das 9h às 20h
Local: EdA – Espaço das Artes da ECA-USP (Rua da Praça do Relógio, 160, Cidade Universitária)

 

Fotos: Divulgação/EdA