Família de Walter Zanini, fundador do CAP, doa acervo à Biblioteca do MAC

Na última semana, aconteceu a cerimônia de inauguração da Biblioteca Lourival Gomes Machado do Museu de Arte Contemporânea (MAC) da USP. O evento foi marcado pela doação do acervo de Walter Zanini, professor do Departamento de Artes Plásticas (CAP) da ECA, com mais de 10 mil exemplares.

Desde quando a Biblioteca Lourival Gomes Machado saiu da Cidade Universitária, em 2016, para o prédio do MAC, não havia sido realizada uma inauguração, de acordo com a bibliotecária Lauci Quintana. Com a doação do acervo Walter Zanini e com a abertura da Livraria Editora da USP, a cerimônia foi finalmente organizada.

O Museu recebeu a doação da família de Walter Zanini no mês passado, após um longo processo, que teve início em 2013, quando do falecimento do professor. Naquele ano, houve o lançamento do livro Walter Zanini: Escrituras Críticas, de Cristina Freire, professora do MAC, e uma exposição dedicada a ele. 


Exposição Prospectiva 74, promovida por Zanini em 1974. Foto: Divulgação/MAC

De acordo com a família Zanini, este era desejo dele. “Com essa doação, sua memória ficará presente e assim perpetuada nesse museu, onde, como primeiro diretor, dedicou com grande experiência e inovação uma parte importante de sua vida”, nas palavras da família.

Contribuição para a Universidade

Walter Zanini foi o primeiro diretor do MAC, de 1963 a 1978, e foi o fundador do Departamento de Artes Plásticas da ECA, onde atuou como professor de graduação e pós-graduação. Ele orientou estudantes que se destacaram no cenário histórico-artístico como Aracy Amaral, Daisy Peccinini e Carlos Scarinci. Entre 1984 e 1988, Zanini também foi diretor da ECA. “O Zanini está na base do Departamento de Artes Plásticas. Ele lutou, durante muitos anos, para a criação do Instituto de Artes, para a separação entre Comunicações e Artes, no sentido de valorizar as duas áreas”, conta o professor Domingos Tadeu Chiarelli, do CAP, que foi aluno de Zanini.

“Acho que ele tem essa presença notável na USP porque seu nome está associado a um curso de formação na área de Artes na Universidade”, cita a professora Sônia Salzstein Goldberg, também professora do CAP e atual coordenadora do Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da ECA. A docente conta que o curso em uma universidade pública trouxe o horizonte da pesquisa, alternativa ao mercado. “Então o Zanini foi pioneiro na Universidade de São Paulo por ter trazido essa iniciativa”.

Ela acrescenta que a ideia de inserção do ensino de arte na universidade vinha da formação internacional que Zanini teve. “Ele tinha uma visão bastante arejada, estratégica, global”, afirma, “e tudo isso foi uma contribuição bastante rara na universidade”.


Arquivo da Biblioteca Lourival Gomes Machado, do MAC. Foto: Amanda Péchy/AUN

Lauci afirma que, no material doado, cerca de 12.500 livros e 800 revistas, há itens sobre história da arte, filosofia, pintura, sociologia da arte europeia e americana, monografias de artistas modernos e contemporâneos, entre outros, e artistas, filósofos e críticos, como Henri Matisse, Constant Permeke, Marcel Duchamp e Theodor Adorno. “Tem coisa desde quando ele era aluno”, diz a bibliotecária. Muitos dos livros e periódicos também contém marcações e anotações de Zanini. “Não tenho dúvida de que a coleção que ele amealhou durante décadas só vai ampliar a importância da biblioteca do MAC. Acho que toda a USP se engrandece com essa doação”, acredita Chiarelli.

Walter Zanini foi professor, historiador, curador e crítico de arte. Graduou-se e doutorou-se pela Université de Paris VIII. É considerado o primeiro curador da Bienal de São Paulo. Participou da criação do Comitê Brasileiro de História da Arte, do qual foi presidente, e organizou dois volumes do livro História Geral da Arte no Brasil.

Texto: Mirella Coelho
Foto de capa: Arquivo Histórico Wanda Svevo/Fundação Bienal de São Paulo.