Com mostras online, Festival "É Tudo Verdade" traz diversos filmes de ecanos

Mostra competitiva, com sessões presenciais, foi adiada para setembro em razão da pandemia de coronavírus

Comemorando um quarto de século, o festival internacional de documentários É Tudo Verdade acontece entre os dias 26 de março e 5 de abril, com mostras online. Parte dos 83 filmes que compõem a programação do festival poderá ser conferida pelo público gratuitamente, sem sair de casa. 

Um dos destaques é o longa A Negação do Brasil, do cineasta e doutor em Ciências da Comunicação pela ECA Joel Zito Araújo. Presente na mostra Retrospectiva: os primeiros premiados, o filme aborda a representatividade do negro nas telenovelas do país e sua influência na formação da identidade de afro-brasileiros, além de contar a luta de atrizes e atores negros em busca de reconhecimento no meio audiovisual. 

Dedicada a filmes sobre o universo do cinema, a mostra A Situação Cinema traz o filme Quando As Luzes das Marquises Se Apagam, do jornalista e realizador Renato Brandão. Fruto do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Brandão, a produção reuniu alunos de Jornalismo e Audiovisual da ECA. Com um rico material de arquivo e depoimentos, o longa apresenta a trajetória das salas de cinema do centro de São Paulo e sua relação com o processo de urbanização da cidade ao longo do século XX e início do XXI. 

A mostra Ano 1: A Safra Brasileira no É Tudo Verdade 1996 tem forte presença do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão (CTR). Com direção do professor João Godoy, o curta Vala Comum resgata parte da história da ditadura ao acompanhar os desdobramentos das escavações de uma vala clandestina no cemitério de Perus. Já o docente Jean-Claude Bernadet assina São Paulo - Sinfonia e Cacofonia, descrito como uma "ode de amor e ódio" à cidade. Completa a seleção o filme São Paulo - Cinemacidade, dirigido pelo cineasta e fotógrafo Aloysio Raulino. Esses dois últimos filmes foram realizados em 1994, dentro do projeto São Paulo no Cinema, com equipe composta por professores, funcionários e alunos do CTR. 

A programação online ainda traz produções de importantes realizadores brasileiros e estrangeiros, como Marcelo Masagão e Chris Marker, além de uma mostra em homenagem ao cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão, falecido recentemente. 

Para conferir a programação online completa, acesse o site oficial do É Tudo Verdade. 

 

Filmes do CTR selecionados para a mostra competitiva

Entre os filmes que serão exibidos na mostra competitiva, em setembro, está Ver a China, de Amanda Carvalho, aluna de Audiovisual. 

Ver a China é resultado do TCC de Carvalho, orientado pela professora Cecília Antakly de Mello. O curta metalinguístico conta a história de uma jovem estrangeira que é convidada a visitar a China para conhecer a produção de chá na província de Fujian e produzir um documentário sobre o tema.  

“Trata-se de uma reflexão sobre o ato de filmar na China e sobre os olhares da câmera, da documentarista e das pessoas que estão sendo filmadas ou que estão filmando”, comenta a docente e orientadora do TCC. 

O filme utilizou material filmado no contexto do Looking China, programa anual que seleciona 100 estudantes de vários países para aulas e produção audiovisual no gigante asiático. 

Além do curta de Amanda Carvalho, o CTR também marca presença com o longa Jair Rodrigues - Deixa que Digam, dirigido por Rubens Rewald, professor do departamento. O filme conta a história do cantor de MPB Jair Rodrigues e é fruto de uma iniciativa de seus filhos Luciana Mello e Jair Oliveira para resgatar e difundir a obra do pai. 

Para saber mais sobre os outros filmes selecionados, acesse o site do festival. 

 

Texto: Amanda Ferreira e Maria Eduarda Nogueira