“Homo sapiens” ou “homo datas”?

A influência dos dados na sociedade e na política são mais profundas do que se imagina. Essa e outras questões serão discutidas em evento no dia 29 de outubro. 

 

“Somos um corpo, feito de órgãos, músculos, veias, composto por proteínas, água. Somos também indivíduos, entidades sociais, relacionais, assim como portadores de uma identidade jurídica. Mas hoje somos também mais que tudo isso. Somos também dados.”

Quem afirma isso é o professor Massimo di Felice, do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP), responsável pelo manifesto Cidadania Digital, lançado na Itália no ano passado, em conjunto com o grupo de pesquisa internacional Atopos. 

O conceito de cidadania digital surgiu num contexto em que “fomos surpreendidos pela difusão de plataformas de interação digital, muitas delas com objetivo de criar processos deliberativos de massa e expandir as formas de participação para além do voto”, explica o professor. Assim, novas iniciativas surgiram no sentido de promover o debate e a tomada de decisões compartilhada com a população. 

Essas novas formas de interação são tema do evento que acontece no dia 29 de outubro, promovido pelo grupo Atopos. Intitulado Cidadania Digital: A governança e a cidadania na época das plataformas e das Blockchains, o evento faz parte da semana do Global Media and Information Literacy da Unesco (Global MIL Week 2019). Haverá presença de palestrantes internacionais que contribuirão para a discussão: como a era digital está influenciando a política e até mesmo a sociedade?
 
Segundo o professor Massimo, “as últimas gerações de redes, a internet das coisas, as redes de dados (big data), as redes de territórios conectados através de sensores e sistemas informativos geográficos (GIS), criaram uma nova arquitetura informativa.”

Nessa nova configuração, tudo é transformado em dados, formando um ambiente denominado de infoecologia. Todos os seres, vivos ou não, emitem dados que são utilizados por nós diariamente. Eles se tornaram tão intrínsecos a nosso cotidiano que imaginar um mundo sem dados é como imaginar a longínqua época das cavernas. 

O monitoramento da natureza não se dá mais por incursões a florestas. Hoje, dados revelam tudo que se passa dentro dos biomas mundiais. Alguns cliques nos separam de todo tipo de informação sobre a Amazônia, por exemplo. 

Nossa nova impressão digital é medida não apenas pelos equipamentos biométricos, mas por todos os dados que depositamos diariamente na internet, mesmo que de forma involuntária. “Estes dados são uma parte importante que não somente diz a respeito de nós mas que nos compõe”, comenta o professor. Compras, buscas on-line, aplicativos… todos registram informações sobre nós que traçam um perfil muito diferente daquele traçado na época da Grécia Antiga. 

A infoecologia demonstra que a concepção grego-ocidental de sociedade é inadequada para os tempos atuais. “É necessário urgente mudar a nossa linguagem. A nossa ideia de ambiente tornou-se obsoleta.”

Essa proposta de mudança de linguagem faz parte do manifesto Cidadania Digital, que já foi assinado por pesquisadores do mundo inteiro. A ideia é mostrar que nos relacionamos não só com humanos, mas também com softwares, dados, territórios, clima e isso impacta no modo como enxergamos a governança, que não é mais parlamentar, centrada no humano. 

“O texto do manifesto está dividido em quatro partes e tem como objetivo apresentar um campo de pesquisa, estudo e reflexão sobre as mudanças aportadas pela web e pelas redes digitais na participação dos cidadãos, nos processos decisórios e na política em geral”, explica o professor Massimo. 

 

 

O evento que discutirá sobre todas essas questões no dia 29 é apenas um primeiro passo rumo a longa discussão e pesquisa acerca da cidadania digital. Segundo o professor, ele “busca começar  o mapeamento de experiências e de aplicações destas novas dimensões do comum, realizado em diálogo com dados, algoritmos, sensores, biodiversidade e territórios conectados.”

A entrada é gratuita. Para saber mais detalhes da programação, acesse a página no Facebook

 

Serviço:
Cidadania Digital: A governança e a cidadania na época das plataformas e das Blockchains
Data: 29 de outubro
Horário: 17h às 21h
Local: Auditório Lupe Cotrim, 1º andar - Prédio Central da ECA