Neusa Dias de Macedo: uma vida dedicada ao ensino e a pesquisa em Biblioteconomia

Falecida no dia 28 de março, docente deixa legado que vai do ensino básico à Universidade

 

No último sábado, dia 28 de março, faleceu Neusa Dias de Macedo, bibliotecária e professora aposentada do Departamento de Informação e Cultura (CBD). Com uma trajetória profissional e acadêmica de mais de 50 anos, Neusa dedicou-se ao ensino e pesquisa em Biblioteconomia de maneira incessante e em diversas frentes. 

Formada em Biblioteconomia na Fundação Escola de Sociologia e Política, Neusa ingressou na USP em 1951, como bibliotecária na Faculdade de Farmácia e na Faculdade de Odontologia. Afastada por motivações políticas durante o governo estadual de Jânio Quadros, a futura professora passa a trabalhar no Sistema de Informação da Indústria Nadir Figueiredo – onde cria uma biblioteca ambulante para os operários – e gradua-se em Letras. Obtém bolsa para um mestrado nos Estados Unidos e, ao voltar ao Brasil, torna-se docente da Universidade de Brasília, cargo que ocupa pelos seis anos seguintes. 

Mais tarde, quando ingressa no doutorado, Neusa é aprovada em concurso para docente da graduação em Biblioteconomia da ECA. A partir de 1980, já doutora, passa também a dar aulas e orientar alunos da Pós-Graduação, contribuindo para a elaboração de 40 dissertações e teses na área.  Nas palavras de Neusa, estes foram anos marcados por “experiências inesquecíveis”. 

Neusa foi parecerista de diversas revistas das áreas de Ciência da Informação e das Comunicações e Artes. Foi responsável pela reformulação, em 1978, da Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, da qual foi editora por alguns anos. A professora teve ainda importante atuação em diversas entidades representativas de profissionais da Biblioteconomia, como a Associação Paulista de Bibliotecários (APB), a Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições (FEBAB) e o Conselho Federal de Biblioteconomia (CFB).  

Mesmo depois de sua aposentadoria, em 1992, a docente manteve-se vinculada ao Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação (PPGCI), contribuindo de forma decisiva para a formação de grande parte dos pesquisadores brasileiros em Biblioteconomia. Ela é considerada uma das maiores especialistas brasileiras no serviço de referência em bibliotecas.  

Grande defensora da biblioteca escolar, Neusa nunca deixou de se preocupar com a Educação Básica. Prova disso é a publicação, em 2005, do livro Biblioteca escolar brasileira em debate: da memória profissional a um fórum virtual, um dos dez finalistas no Prêmio Jabuti do ano seguinte. Neusa ainda deixou um livro inacabado, sobre a sinalização de bibliotecas. 

Perguntada uma vez sobre os desafios atuais da Biblioteconomia, a professora destacou o papel fundamental das memórias e registros históricos, na forma de pesquisas acadêmicas e também de avaliações das instituições profissionais. Ela finalizou com um recado para os jovens bibliotecários: “produzam trabalhos sérios na sua área de atuação, exaltem os problemas críticos dos vários tipos de bibliotecas; atualizem-se sempre; passem para diante suas experiências, defendam sua profissão e colaborem com as instituições de classe”.

Abaixo você confere um depoimento de Neusa Dias de Macedo sobre o livro que mudou sua vida:

 

 

Com informações do Conselho Regional de Biblioteconomia - 8ª região, São Paulo (CRB-8)