Observatório da Pandemia mapeia pesquisas feitas sobre a Covid-19 em diferentes áreas do conhecimento

Projeto conta com especialistas de diversas partes do mundo; na USP, é coordenado por docentes do CRP

 

A pandemia de covid-19 tem impulsionado muitas pesquisas. Seja buscando uma nova vacina ou analisando os golpes na internet, diversos ramos da Academia estão se mobilizando para entender esse novo cenário trazido pelo coronavírus. Uma dessas iniciativas é o Observatório da Pandemia, criado por pesquisadores do Brasil, do Chile, da Argentina e da Espanha com o objetivo de mapear a pandemia e seus efeitos. Na USP, a coordenação é dos professores Clotilde Perez, Eneus Trindade e Bruno Pompeu, do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP).

O projeto é fundamentado na articulação entre a comunicação e a sociedade e vai seguir nove eixos de abordagem: 

  1. Biologia: possibilidades e limites; 
  2. Publicidade e marcas no contexto da covid-19;
  3. Ódio social (agressões, violência, polarizações…);
  4. Cultura material do isolamento;
  5. Comunicação governamental;
  6. Implicações público versus privado;
  7. Estética da morte (ocultação e mostração);
  8. Os sentidos e significações do confinamento (violência contra mulheres, contra crianças, aumento do alcoolismo, obesidade, consumo de apps de sexo, caos…)
  9. Os meios de comunicação revisitados: audiências, ideologias, fake news etc.  

Por meio desses eixos, os pesquisadores esperam compreender os impactos da pandemia nas mais diversas esferas sociais: comportamento, valores, consumo, relações afetivas e profissionais, relações com as tecnologias, etc. 

 

Mulher usando máscara analisa roupas em loja de vestuárioOs efeitos da pandemia de coronavírus no consumo são um dos temas de interesse do Observatório da Pandemia. Foto: Arturo Rey / Unsplash.

 

A metodologia inclui a integralização de dados secundários, com mapeamento midiático e análise de redes sociais em todos os países envolvidos. Entre os autores que servem de referencial teórico, estão Christian Dunker, Gilles Lipovetsky e Byung-Chul Han. 

O Observatório da Pandemia contemplará diferentes áreas do conhecimento, com o envolvimento de pesquisadores de formação interdisciplinar. Além dos professores da ECA, há também membros da Universidade Católica do Chile, da Universidad de Sevilla e da Universidad de Murcia. 

Segundo os pesquisadores, os primeiros resultados serão disponibilizados em agosto, através de artigos científicos, apresentações em congressos e publicações nos sites e redes das instituições envolvidas. Os achados servirão de base para outros projetos de pesquisa, para decisões e estratégias no âmbito da comunicação pública e privada, além de ser fonte para matérias jornalísticas e para o desenvolvimento de produtos e serviços. 

 

Texto: Maria Eduarda Nogueira e Amanda Ferreira