Professor do CRP apresenta resultados de pesquisa sobre os Jogos Olímpicos

Um projeto de pesquisa liderado pelo professor Paulo Nassar, do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP), e pela pesquisadora Beatriz Garcia, da Universidade de Liverpool, do Reino Unido, sobre a cobertura da imprensa acerca dos Jogos Olímpicos do Brasil foi tema de um workshop realizado no último dia 16 de maio, na universidade inglesa.

Branding Brazil: Effects of Rio 2016 on Image and Cultural Narratives apresentou os resultados da pesquisa que teve como objeto de estudo as notícias publicadas pela imprensa britânica e brasileira desde 2009, quando do anúncio da escolha do Rio de Janeiro como sede das Olimpíadas de 2016, e do período de 2013 a 2017. O trabalho discute as formas pelas quais as narrativas oficiais foram produzidas nesse contexto e sua representação na mídia local, nacional e internacional. 

O workshop foi assistido por acadêmicos e pesquisadores da Universidade Liverpool e da Universidade John Moores, e por representantes da imprensa britânica e da British Academy, que financiou o projeto por meio do Newton Found. Foram discutidas durante o workshop as metodologias da pesquisa para a análise de conteúdo de mídia, as diferenças de branding no Brasil e no Reino Unido, e os efeitos de questões políticas e econômicas que não faziam parte da narrativa oficial apesar dos esforços do programa cultural do Comitê Olímpico Brasileiro.

Os números da pesquisa mostraram "que a ação cultural e os artistas podem alavancar uma retomada econômica e política do Rio de Janeiro", disse Paulo Nassar em sua apresentação. Ele falou ainda sobre a importância dos estudos sobre as metas e micronarativas nacionais, bem como sobre o papel das micronarrativas na narrativa do Brasil. Beatriz Garcia fez ainda um background teórico da pesquisa sobre legado cultural em grandes eventos.

Em agosto, os resultados da pesquisa serão apresentados em eventos no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro, e em São Paulo.

Paulo Nassar, à esquerda: a narrativa cultural pode ajudar o Rio de Janeiro