Professor e compositor, Ronaldo Miranda é homenageado em evento com pianistas de todo o Brasil

No dia 20 de fevereiro, a III Oficina de Piano, organizada pelo Laboratório de Piano do Departamento de Música (CMU), promoveu uma homenagem ao professor e compositor Ronaldo Miranda, que completa 70 anos em 2018. A homenagem contou com interpretações de 11 peças do artista por alunos e professores. O evento aconteceu no Auditório Olivier Toni, no CMU.

Ronaldo Miranda nasceu no Rio de Janeiro e estudou na Escola de Música da UFRJ. Trabalhou como crítico para o Jornal do Brasil e, após 1977, intensificou os trabalhos de compositor, quando ganhou o primeiro prêmio da II Bienal de Música Brasileira Contemporânea da Sala Cecília Meirelles. Ganhou diversos prêmios durante a carreira, dentre eles, o Troféu Golfinho de Ouro (1981), três prêmios da Associação Paulista de Críticos de Arte (1982, 2006, 2013), da Academia Paulista de Críticos de Arte, e a Chevalier dans l’Ordre des Arts et des Lettres (1984), do Ministério de Cultura da França. Atualmente, Miranda é professor do CMU e membro da Academia Brasileira de Música.

Ronaldo Miranda durante a homenagem na III Oficina de Piano USP

Segundo a professora Luciana Sayure, uma das organizadoras do evento, três motivos foram responsáveis pela escolha de homenagear Ronaldo Miranda nesta edição da oficina: “a importância do compositor no cenário nacional e internacional, o repertório consistente e relevante e o fato de ser uma oficina que reúne pianistas de todo o Brasil, ou seja, ótima oportunidade para divulgar ainda mais a obra dele”, afirma a docente.

A primeira peça tocada foi Prelúdio e Fuga, de 1965. “Compus quando eu tinha 17 anos. Nem era aluno de Composição, era aluno de graduação em Piano”, contou Miranda durante o evento. Outras peças foram Suíte nº3 (1973), Prólogo, Discurso e Reflexão (1980), Toccata (1982), Estrela Brilhante (1984), Valsa Só (2005), Três Micro-peças (2001) e Variações Asorovarc (2002). Os alunos Leandro Isaac e Lucas Thomazinho tocaram Tango (1991), o Duo Corvisier, composto por pianistas vinculados ao Laboratório de Piano, tocou Variações sérias sobre um tema de Anacleto de Medeiros (1998) e os professores Luciana Sayure e Eduardo Monteiro tocaram Frevo (2004).

Duo Corvisier toca Variações sérias sobre um tema de Anacleto de Medeiros (1998), de Ronaldo Miranda

“O professor Ronaldo indicou essas obras. Das obras que ele divulga, nós fizemos todas, com exceção de uma composta mais recentemente”, explica Luciana. E acrescentou que o trabalho ainda não acabou, pois alguns erros de edição foram encontrados nas obras de Miranda. “Vamos trabalhar com ele para divulgar todo o repertório, todas as partituras corrigidas no site do Laboratório de Piano da USP”.

Alunos e professores que tocaram as obras de Ronaldo Miranda e, ao centro, o compositor

A Oficina de Piano USP é um evento bienal e homenageia um compositor brasileiro a cada edição. “Os pianistas brasileiros tendem a tocar sempre os mesmos compositores. Pois, aos compositores vivos, em geral, não é dada a devida importância”, diz Luciana, esclarecendo a relevância e a contribuição do evento. “É uma oficina diferenciada porque a gente não faz seleção. Tem estudantes, professores, pianistas e amadores participando. E todo o trabalho é voluntário”, conclui.

Turma da III Oficina de Piano USP durante a abertura do evento

 

 

Texto e fotos: Mirella Coelho