Professores de Educom promovem curso para agentes da Secretaria da Saúde

Uma parceria entre a ECA e a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo oferecerá, em 2019, uma nova experiência na área de tecnologia social destinada à mobilização comunitária para as ações de vigilância e controle de doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti. O projeto Educom.Saúde visa oferecer atividades formativas na área de educomunicação para colaboradores e profissionais vinculados à secretaria, além de sensibilizá-los em relação à necessidade de articular e mobilizar as populações em seus municípios e nas distintas regiões do estado de São Paulo por meio de práticas educomunicativas.

Ismar de Oliveira Soares, professor sênior do Departamento de Comunicações e Artes (CCA) explica que foi procurado pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo a fim de alavancar a divulgação das ações em combate ao mosquito da dengue a partir de ferramentas da educomunicação, uma vez que a mídia tradicional não obteve o alcance esperado. Para o docente, a parceria revela o reconhecimento da educomunicação como "uma prática inovadora para utilizar as mídias de maneira consciente, em tempos que há a propagação elevada das chamadas fake news", sendo "de grande eficácia para obter o alcance necessário às ações de saúde, em que profissionais da área poderão ser facilitadores desse processo". 


Ismar de Oliveira Soares, docente do CCA, e Irma Neves, da Superintendência de Controle de Endemias, falam sobre a parceria entre ECA e Secretaria de Estado da Saúde. Fonte: Reprodução/Youtube

O curso será ministrado em conjunto com professores do CCA, alunos e especialistas em educomunicação formados pela ECA nos últimos anos. Serão três dias de oficinas nas áreas de linguagens de comunicação, como radialismo, mídias sociais, redação etc. A proposta é estimular os profissionais de saúde a desenhar possíveis caminhos para a constituição de um programa de formação educomunicativa mais abrangente, além de aprender a lidar momentos de crise. 

Na primeira fase, serão contemplados os municípios com mais de 100 mil habitantes e em torno de 250 agentes de saúde, com o intuito de mobilizar não apenas os agentes de cada região como também as comunidades, em um trabalho de longa duração. Assim, de 9 a 11 de abril, as atividades ocorrerão na região metropolitana da capital, Vale do Paraíba e Baixada Santista; de 14 a 16 de maio em Campinas, São João, Piracicaba, Sorocaba, Itapeva e Botucatu; e de 11 a 13 de junho nas cidades de Presidente Venceslau, Marília, Assis, Araçatuba, Bauru, São José do Rio Preto, Jales, Ribeirão Preto, Araraquara, Barretos e Franca. No segundo semestre, o projeto se estenderá por outras cidades; além disso, será ministrada, à distância, a segunda parte do curso, ainda em fase de elaboração.

Para conhecer mais sobre o projeto, assista a entrevista do professor Ismar de Oliveira Soares ao canal Vigilância em Saúde em Pauta.