Projeto finalista na FEBRACE é orientado por doutorando da ECA

Entre os dias 21 e 24 de março, acontece, na Escola Politécnica da USP, a 15ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (FEBRACE), uma mostra de projetos científicos inovadores de todas as áreas do conhecimento, pensados e postos em prática por jovens da educação básica de escolas públicas e particulares.

Neste ano, um dos projetos apresenta uma estreita relação com a ECA: o Manual Criativo de Jogos para Jovens em Situação de Vulnerabilidade Social, finalista na área de humanas, foi produzido pelos alunos Paulo Teixeira, João Victor Donghia e André Thiele, do Colégio Visconde de Porto Seguro de São Paulo e orientado por Tupy Gomes Corrêa, que completou o mestrado na Escola e, atualmente, integra o Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos Audiovisuais (PPGMPA), desenvolvendo pesquisas correlatas à área dos jogos digitais.

Segundo André Thiele, o projeto surgiu no ano de 2016, na aula extra de Empreendedorismo Aplicado ao Desenvolvimento de Games, a partir da ideia, proposta pelo professor Tupy, de iniciar uma pesquisa sobre o processo de criação de um jogo, ao mesmo tempo em que se preocupavam com problemas sociais da vizinhança. Em levantamento feito pelos estudantes, eles observaram que o acúmulo de lixo eletrônico e a vulnerabilidade social de jovens eram dois dos maiores dilemas da atualidade e decidiram, com isso, explorar como poderiam “a custo zero, trabalhar a questão do lixo eletrônico” e aproveitar o potencial dos games de “proporcionar inclusão”, conforme explicam André e Tupy.

Da esquerda para a direita: João Victor Donghia, Paulo Teixeira e André Thiele, durante apresentação do projeto na FEBRACE. 

Assim, o grupo desenvolveu um manual que, ao incentivar a liberdade criativa, tem o objetivo de proporcionar à jovens o aprendizado necessário para a construção de jogos a partir de lixo eletrônico. Na versão final do manual, após estudarem jogos e materiais diversos e prezarem por aqueles que fossem de montagem simples e de poucos materiais de fácil obtenção, exemplificaram a atividade com os jogos Resta Um, Mancala e Jogo da Velha, construídos com teclados desmontados.

Na fase seguinte de seu projeto, André, João Victor e Paulo aplicaram a pesquisa em dez jovens da comunidade de Paraisópolis, alunos da Escola da Comunidade, vinculada ao Visconde de Porto Seguro. Eles forneceram os materiais e a explicação necessária para a montagem dos jogos. O grupo acredita que os colégios do Brasil podem se equipar com jogos feitos a partir de lixo eletrônico e montados pelo próprio corpo discente, algo que o Porto Seguro já se dispôs a implantar. “Nosso objetivo maior é ajudar a reciclar a educação no Brasil”, explica André.

Modelo do jogo Resta Um produzido a partir de teclados desmontados.

Experiência FEBRACE

Para Tupy Corrêa, a FEBRACE é um evento de extrema importância por incentivar “um futuro na educação e na ciência”. Além disso, vê na feira a possibilidade de inserir alunos do ensino fundamental e do ensino médio na USP e no ambiente de pesquisa científica. “Eu faço pós-graduação para trabalhar com meus alunos em sala de aula porque eu quero popularizar a ciência e o conhecimento”, conta.

Vendo a dedicação, interesse e motivação de João Victor, André e Paulo, Corrêa decidiu ir mais além e inscrever o grupo na FEBRACE. “Mas nós não esperávamos estar aqui”, revela Paulo Teixeira, referindo-se à final da feira. “Acho que o que eu mais gostei de todo esse processo foi perceber, no fim da pesquisa, que nós íamos participar da final”, completa.

Estar na feira, ao lado de tantos outros projetos interessantes, era um sonho para os adolescentes. Agora, porém, garantem que estão “muito felizes”, porque, como explica André, puderam “fazer uma pesquisa diferente de tudo o que fizeram antes” e obter um grande aprendizado, tanto com o projeto quanto com a oportunidade de participar da FEBRACE e se preparar para ela, escrevendo artigos e relatórios e até mesmo fazendo um vídeo de divulgação. Para além do contato com a ciência, que para Paulo e André é um caminho no qual desejam continuar, os alunos também poderão ver sua pesquisa publicada na internet e traduzida para o inglês.

A FEBRACE está aberta para visitação dos projetos finalistas até quinta-feira, dia 23, das 14h às 19h, no prédio da Engenharia Elétrica da POLI-USP (Avenida Professor Luciano Gualberto, Travessa 3, Cidade Universitária – Tenda de Eventos, no estacionamento da Escola Politécnica), com entrada franca. Na sexta-feira, dia 24, acontece a cerimônia de premiação, das 13h30 às 18h, para os projetos escolhidos pelos jurados e aqueles com o maior número de votos na categoria votação popular, que fica aberta até esta quinta e pode ser acessada no site do evento.

Texto e fotos: Victória Martins