+ Retrospectiva 2020: pesquisas da ECA que foram notícia

Relembre reportagens sobre resultados de pesquisas que foram publicadas no site da ECA em 2020

 

A pesquisa acadêmica é um dos pilares da universidade pública, tendo a capacidade de impactar positivamente a sociedade. Na ECA, a pesquisa aproxima diferentes áreas do conhecimento, indo da investigação teórica à pesquisa estética, da pesquisa tecnológica à investigação da linguagem. São observadas diferentes modalidades de pesquisas inter, intra e transdisciplinares, com o desenvolvimento da reflexão teórica, da criação artística e da produção científica.

O incentivo à pesquisa se dá desde a graduação – em projetos de iniciação científica e trabalhos de conclusão de curso – passando pela pós-graduação, o pós-doutoramento e a participação em grupos de pesquisa.

A seguir, confira algumas das pesquisas que foram notícia no site da ECA ao longo do ano de 2020.

Trabalhos de conclusão de curso (TCC)

A aluna de jornalismo Fernanda Giacomassi escolheu como tema de seu TCC a expansão dos veículos jornalísticos na internet. A pesquisa enfocou veículos que já surgiram dentro desse nicho – os chamados nativos digitais – e os principais desafios para sua sustentabilidade financeira. A principal conclusão foi que, por mais que essa expansão contribua para democratizar o acesso à informação, os veículos ainda precisam aprimorar e diversificar suas fontes de financiamento.

Já Alexandre Amaral transformou uma experiência pessoal em tema para o seu TCC. Ao realizar o Caminho de Santiago, na Espanha, o estudante de jornalismo desenvolveu um documentário que traz depoimentos de diversos caminhantes. O percurso de cerca de 800km de extensão foi inteiramente filmado com o telefone celular, uma aposta prática e inovadora que exigiu abordagens técnicas mais criativas durante a montagem do filme. 

Pessoas andando pelo Caminho de Santiago, com a ajuda de cajados.Imagem do documentário Pereginos, TCC de Alexandre Amaral. Imagem: Reprodução/Youtube.

Dissertações e teses

Os fenômenos da comunicação digital estiveram entre os assuntos mais explorados pelas teses e dissertações que foram notícia em 2020. Carolina Villaverde desenvolveu a dissertação As rupturas das imagens técnicas: demolições e reconstruções do fotojornalismo brasileiro no Instagram, que busca entender e mostrar como grandes jornais utilizaram a plataforma para se aproximar dos leitores por meio da fotografia.

Outro mestrado que também analisou a relação entre o jornalismo e as redes sociais foi a dissertação Redes sociais, jornalismo e democracia: o ambiente informativo em risco na era da informação.  Neste trabalho, o pesquisador Ricardo Gandour buscou entender o impacto da expansão das redes sociais como meios de informação, ao mesmo tempo que o jornalismo tradicional vem reduzindo o tamanho de suas redações.

Saindo um pouco do universo digital, Bartira Bejarano Campos trouxe para sua dissertação o processo criativo das séries de TV. Em Sala de Roteiristas: a Writers' Room brasileira e seu processo de escrita colaborativa de séries televisivas, a autora compara o processo de escrita de séries americanas com o processo de criação das telenovelas brasileiras.

Na área de Artes, Brígida Campbell, menção honrosa do Prêmio Tese Destaque USP 2020, decidiu mapear em seu doutorado ações artísticas pelo Brasil que despertam um olhar sensível para a cidade. Sua pesquisa reuniu artistas de todas as regiões do país que, por meio de seu trabalho realizado no espaço urbano, promovem reflexões e questionamentos na sociedade ao seu redor.

Balões laranjas sendo soltos pelo céuAção Estão ocupando nosso espaço aéreo, registrada na tese de Brígida Campbell. Imagem retirada da tese.

Resultados de projetos de pesquisas

O professor Vitor Blotta, do Departamento de Jornalismo e Editoração (CJE) e coordenador do grupo de pesquisa Jornalismo, Direito e Liberdade, divulgou os resultados de uma pesquisa realizada em parceria com  Esther Solano, docente da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e Ian Lamond, professor da Universidade de Leeds-Beckett, na Inglaterra. O artigo Leisure activism and engaged ethnography: heterogeneous voices and the urban palimpsest (Ativismo e etnografia engajada: vozes heterogêneas e o palimpsesto urbano, em tradução livre), foi publicado na revista Leisure Studies e busca entender de que forma as pesquisas podem representar vozes mais diversas. Para isso, os pesquisadores defendem a amplificação dessas vozes para uma participação mais ativa no estudo, por meio de um tratamento mais horizontal entre pesquisadores e participantes da pesquisa e valendo-se de metodologias que privilegiam mais trocas entre todos os atores envolvidos. 

O Centro de Pesquisa Comunicação e Trabalho produziu um relatório sobre as condições de trabalho dos comunicadores durante a pandemia. A pesquisa, coordenada pela professora Roseli Figaro, do Departamento de Comunicações e Artes (CCA), mostra as dificuldades e incertezas encontradas pelos profissionais da área ao migrar para o trabalho em home office.

Homem trabalhando pelo computador em sua casaTrabalho realizado em home office durante a pandemia. Foto: Imperioame/ Pixabay

Artigos em revistas científicas da ECA

Além das dissertações e teses, as revistas científicas cumprem importante papel na divulgação dos resultados de pesquisas acadêmicas. Atualmente, a ECA tem 16 periódicos dedicados a diversos temas nos campos da Comunicação, Arte e Informação. Essas publicações trazem artigos científicos, textos de opinião e produções artísticas realizadas por pesquisadores da Escola e de outras instituições de ensino e pesquisa do Brasil e do exterior.

Ao longo de 2020, muitos desses trabalhos viraram notícias no site da ECA, como é o caso do artigo A publicidade sem caráter e a estética do velamento, publicado em junho na revista Rumores. O texto aborda o fenômeno da inserção de produtos em filmes e séries, uma estratégia publicitária cada vez mais comum. 

A ECA conta ainda com revistas e outras publicações organizadas por estudantes da graduação e da pós-graduação. Uma delas é a revista Movimento, que em sua 14ª edição apresentou um artigo sobre o impacto da personagem Mulher-Maravilha nos debates sobre empoderamento feminino e  desigualdade de gênero no cinema. 

 

Texto: Vanessa Evelyn da Silva e Amanda Ferreira