Revista do Instituto de Estudos Brasileiros publica dossiê sobre Sábato Magaldi

A edição número 68 da Revista do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) homenageia Sábato Magaldi (1927-2016), que foi docente da disciplina de História do Teatro na Escola de Arte Dramática (EAD) e ministrou aulas sobre teatro brasileiro no Departamento de Artes Cênicas (CAC). A publicação traz um breve dossiê com o perfil do intelectual, seguido de uma entrevista com a escritora Edla van Steen, esposa de Magaldi, e uma reprodução de uma carta de Mário de Andrade endereçada ao crítico e professor, redigida em 1944.

Nascido em Belo Horizonte, mudou-se para São Paulo na década de 1950 onde foi responsável pela seção teatral do Suplemento Literário do jornal O Estado de São Paulo e comentarista de teatro do Jornal da Tarde desde a sua criação, em 1966. Em 1983, defende sua livre-docência na ECA com a tese Nelson Rodrigues: Dramaturgia e Encenações. Magaldi publicou mais de 20 livros, entre eles, Depois do espetáculo, Amor ao Teatro: Sábato Magaldi e Panorama do Teatro Brasileiro, sendo responsável por organizar as obras de Nelson Rodrigues, de quem era amigo pessoal. Em 1994, o crítico foi eleito para ocupar a cadeira número 24 da Academia Brasileira de Letras, que já fora ocupada por Manuel Bandeira.


Nova edição da revista do IEB traz dossiê sobre o crítico de teatro e professor da ECA Sábato Magaldi, falecido em 2016. Foto: Mauro Bellesa/IEA

A Revista do IEB homenageia o docente com um dossiê que aborda a carreira de Sábato Magaldi. Em artigo intitulado Sábato Magaldi Vivo, João Roberto Faria, docente da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) e Marcos Antônio de Moraes, do IEB, discorrem acerca dos trabalhos e da importância do trabalho do crítico para o teatro brasileiro. “Consciencioso, [Sábato Magaldi] construiu uma obra crítica indispensável, que se lê com prazer, pois escrita com clareza e conhecimento profundo do teatro universal e brasileiro", escrevem os docentes. "Além do preparo intelectual, outra característica de Sábato pode ser lembrada: a honestidade com que desempenhou seu papel de crítico teatral”, conclui o artigo.

Em seguida, tem-se o texto Sábato por Edla, por Edla van Steen, viúva de Sábato e responsável por compilar diversos escritos que o autor publicava em jornais e transformá-los em livros. Em entrevista para Faria e Moraes, ela fala sobre o início no jornalismo, seus trabalhos e críticas, e ainda sobre a contribuição do professor para o teatro brasileiro. Por fim, em Mário, Sábato, o docente Marco Antonio de Moraes discorre sobre a relação de amizade entre Sábato Magaldi e o escritor Mário de Andrade. Ao final do texto, é reproduzida uma carta que o modernista enviou ao crítico em 1944.

A edição também conta com artigos sobre a obra artística de Tom Zé nos anos 1970, um estudo sobre o escritor João Cabral de Melo Neto e a poeta norte-americana Marianne Moore, um artigo sobre os dilemas do modernismo brasileiro a partir do estudo de cartas escritas por Carlos Drummond de Andrade, Mário de Andrade e Manuel Bandeira nos anos de 1920, e resenhas sobre obras de Lima Barreto e Graciliano Ramos, entre outros.

A edição pode ser lida integralmente no Portal de Revistas da USP.