Revista Novos Olhares: a internet acabou com a leitura entre os jovens?

Artigo discute como os meios digitais revolucionaram a relação entre os adolescentes e os livros

 

O senso comum diz que a internet acabou com a leitura entre os adolescentes. O artigo “Adolescentes e o livro: internet como mediadora de novas práticas de leitura” diz o contrário. Escrito pelas pesquisadoras Marina Machiavelli e Liliane Dutra Brignol, o trabalho faz parte da mais recente edição da revista Novos Olhares. 

Segundo o artigo, a internet potencializou novas formas de se conectar com o ambiente da leitura. É através dela que os jovens acompanham seus autores favoritos, veem indicações feitas por youtubers  os especializados em livros são chamados booktubers – , compartilham suas leituras e se conectam com outros leitores. 

No ambiente digital, nem sempre são os PDFs e eReaders que se sobressaem. Na pesquisa feita por Machiavelli e Brignol, os adolescentes afirmaram preferir o livro impresso à leitura no celular, por exemplo. O celular, na verdade, é mais “o responsável por permitir o compartilhamento de experiências de leitura com os amigos”. 

Isso não descarta a leitura em dispositivos como o Kindle ou o Lev, no entanto. Segundo as autoras, “o adolescente pode ser leitor de dispositivos digitais ao mesmo tempo em  que  lê  o  livro  impresso.  Ele  vai  de  um  ao  outro  descobrindo  espaços  de encontros e interesses.”

O objetivo do artigo era analisar o impacto dos suportes digitais e também como a internet transformou as práticas de leitura. Para isso, as autoras fizeram uma pesquisa com alguns adolescentes leitores na cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul. A partir de discussões com seis jovens na faixa etária de 14 a 16 anos, um grupo relativamente homogêneo, foi possível entender mais sobre como esse grupo se relaciona com os livros em um contexto de tanta presença da internet.

A prática de leitura não se resume a simplesmente ler o livro e guardá-lo na estante depois. Na verdade, o que foi percebido é que cada vez mais os leitores se transformam em seguidores, em fãs. Acompanham lançamentos, seguem os autores nas redes sociais, fazem grupos para discussões de livros, criam narrativas alternativas  as chamadas fanfics. No artigo, Machiavelli e Brignol dizem que os jovens “querem se sentir parte, ter a oportunidade de se aproximar não só da obra, mas daquilo que o autor representa.”

De fato, a internet revolucionou a leitura. Mas não necessariamente de forma negativa. O que a pesquisa mostra é que “o adolescente lê, lê do seu jeito, lê aquilo que o faz sentir, faz se emocionar, faz querer compartilhar, faz questionar e faz refletir sobre sua realidade, mas, acima de tudo, o faz constituir-se enquanto leitor.”

Revista Novos Olhares, v.8 n.2 (dez/2019)

Novos Olhares é a revista de Estudos Sobre Práticas de Recepção a Produtos Midiáticos, do  Programa de Pós-Graduação em Meios e Processos  Audiovisuais (PPGMPA). A publicação semestral, em seu oitavo volume, discute temas variados, envolvendo jornalismo, comunicação organizacional, cinema, literatura e muitos outros.

A revista está disponível para download gratuito no Portal de Revistas da USP