Sonhos durante a quarentena são matéria-prima para estudantes de Artes Cênicas

Alunas do bacharelado em Artes Cênicas estão coletando relatos de sonhos para produzir curta-metragem

 

Ultimamente, inúmeras transformações tornaram o mundo quase irreconhecível. Os impactos da pandemia e da quarentena sobre a rotina são dos mais variados, afetando inclusive processos biológicos, como o sono. O excesso de informações, a sensação de descontrole, as dificuldades para gerir o tempo e a falta de limites entre momentos de lazer, trabalho e descanso têm provocado ansiedade e insônia em muitas pessoas. 

Com a impossibilidade de encontrar e abraçar entes queridos, a pandemia também transformou os processos de afeto, já que trocar companhia e apoio tornou-se mais difícil. Nesse momento de crise, muitas pessoas têm tido que lidar com seus problemas de forma isolada, e o resultado é uma escalada crescente de solidão e angústia.

Esses sentimentos podem ser ainda mais dolorosos quando se considera como a experiência do luto foi afetada pela pandemia. As imagens de caixões lacrados, enterros restritos e sem velório podem atormentar quem perdeu alguém e fica com a impressão de não ter podido se despedir direito. Para o resto das pessoas, cenas como essas podem causar grande temor, especialmente pela vida de parentes e amigos.

Tal cenário tem impacto direto não só na qualidade do sono, mas também em nossos sonhos. Já no ano de 1900, em sua obra A interpretação dos sonhos, Sigmund Freud afirmava que todo sonho tem uma ligação oculta com o que desejamos. Vetados pela moral social, nossos desejos são reprimidos durante o estado de vigília e "emergem" no momento em que sonhamos, segundo o médico e criador da psicanálise. Interpretar um sonho significa atribuir-lhe um sentido, buscando um possível entendimento de questões importantes para a pessoa que sonha.

 

O ato de sonhar faz parte da natureza humana e foi fortemente impactado pela pandemia. Foto: Carolina Borges e Luana Pantaleoni.

 

Quando os sonhos se tornam inspiração para outros sonhos

Inquietas com a situação atípica da quarentena e seus efeitos oníricos, duas alunas do bacharelado em Artes Cênicas vêm levantando diversas questões sobre o tema. Luana Pantaleoni e Carolina Borges decidiram expressar artisticamente a relação entre sonhos, confinamento e pandemia em seu trabalho de conclusão de curso, orientado pelo professor Felisberto Sabino, do Departamento de Artes Cênicas (CAC). 

Pensado inicialmente como uma peça de teatro, o projeto Sonhos de uma noite de quarentena foi readequado e dará origem a um cutra-metragem. A dupla possui inspiração na linguagem do Teatro de Animação, que engloba marionetes, bonecos e sombras, tendo como referência artistas como Ana Maria Amaral, Philippe Genty, Cia. Sobrevento, Teatro Didático da Unesp e o próprio Sabino. As aulas da disciplina Projeto de Direção Teatral I, com o professor Marcelo Denny, também estimularam as ideias das estudantes. Já sobre a teoria dos sonhos, elas se guiam por Freud, Carl Gustav Jung e Sidarta Ribeiro. 

 

O teatro de animação como expressão dos sonhos durante a quarentena. Foto: Carolina Borges e Luana Pantaleoni.

 

O processo teve início com as alunas, que começaram a anotar seus próprios sonhos em um diário. Logo depois, elas divulgaram um formulário online para coletar relatos de sonhos. "Já recolhemos cerca de cem sonhos nesse formulário, sem contar os nossos próprios. Com ele notamos que a quarentena realmente tem afetado o conteúdo dos sonhos. Muitas pessoas estão sonhando coisas parecidas, sobre as mesmas angústias”, explica Luana. 

O trabalho segue com a criação de videoworkshops, que são pequenos vídeos focados na animação de bonecos, objetos, etc. Com base nos sonhos coletados, Luana e Carolina criam, cada uma, vídeos em suas casas. Basicamente, elas “pegam” um sonho e o utilizam como um estímulo para filmar algo. 

A próxima etapa do TCC é a criação do curta-metragem, cuja finalização está prevista para agosto deste ano. As alunas apostam no ineditismo do projeto: “muitas pessoas estão trabalhando com a questão dos sonhos durante a pandemia, mas até então não sabemos de ninguém que esteja trabalhando artisticamente com isso, por isso achamos que nosso projeto ainda tem muita vida pela frente”, comenta Luana.

Para alguns, os sonhos podem ser apenas uma expressão do inconsciente. Mas projetos como Sonhos de uma noite de quarentena mostram como eles também podem ser suprimentos para a reinvenção coletiva em um novo mundo ainda desconhecido. 

 

Tem sonhado muito durante a quarentena? Acesse o formulário e compartilhe seu relato.