USP e Catedral Evangélica assinam convênio para instalação de órgão de tubos

Em cerimônia realizada no dia 16 de setembro, a Reitoria da Universidade de São Paulo assinou um convênio com a Catedral Evangélica de São Paulo para a instalação do órgão de tubos da USP. O documento foi assinado pelo reitor da USP, Marco Antonio Zago, e pelo reverendo Valdinei Ferreira, pastor titular da Catedral Evangélica.

Também estiveram presentes na cerimônia o presbítero Ítalo Francisco Curcio, vice-presidente do conselho da 1ª Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo e Osni de Lima, presidente do Conselho Curador da Fundação Mary H. Speers. A cerimônia contou ainda com apresentações musicais dos professores Luis Afonso Montanha e José Luis de Aquino, do Departamento de Música (CMU), da Camerata de Cordas Soarte e do Coro da Catedral Evangélica.

O reitor da USP, Marco Antonio Zago, e o pastor titular da Catedral Evangélica de São Paulo, Valdinei Ferreira, assinaram convênio no último sábado (dia 16)

“Ao iniciarmos a busca de um parceiro para dar uma destinação digna e pública ao órgão que adquirimos com recursos públicos, era natural olharmos para esta comunidade presbiteriana e para esta catedral”, falou Marco Antonio Zago. O órgão, adquirido pela USP em 2013, seria inicialmente instalado no Centro de Convenções, no campus de São Paulo, cujas obras foram suspensas por conta das restrições orçamentárias da Universidade. Para o reitor, o órgão finalmente encontrou, na catedral, um “lugar privilegiado para a prática musical”.

O convênio já havia sido aprovado pelo Conselho Universitário, em sessão realizada no dia 4 de julho, e prevê a montagem, instalação e utilização do órgão na Catedral Evangélica de São Paulo, localizada no bairro da Consolação, no centro de São Paulo. Prevê, ainda, a realização de aulas, ensaios e estudos de estudantes e docentes do Departamento de Música da ECA e de outras escolas de música da cidade e do Estado de São Paulo.

Segundo José Luis de Aquino, professor de órgão do Departamento de Música, a escolha da Catedral Evangélica foi motivada pela sua tradição musical e valorização da música de órgão. Além disso, a catedral apresenta “grande qualidade sonora” e “acústica excelente”. Soma-se a isso a disponibilidade da Igreja Presbiteriana em tornar-se o instrumento acessível, durante toda a semana, aos estudos e ensaios dos estudantes de órgão.

Órgão de tubos será instalado no andar superior esquerdo da catedral, localizada no bairro da Consolação, e estará disponível para ensaios e estudos dos estudantes de música da ECA

Aquino explica que hoje os estudantes de órgão ensaiam somente em um órgão digital, que atende bem aos estudos de registração organística, uma vez que o instrumento pode ser programado com diferentes combinações, permitindo o estudo da sonoridade de órgãos de diferentes estilos e épocas. O resultado sonoro é, contudo, é “incomparável” ao órgão de tubos. Segundo o professor, organista precisa praticar também em uma estrutura reverberante. “Nenhum órgão é igual ao outro, então, o organista está sempre aprendendo, sempre se adaptando às características do instrumento e à acústica do lugar”.

O convênio prevê também a realização de audições, festivais e concertos, aproveitando a localização privilegiada da catedral, “inserida em um ambiente que tende a valorizar a arte e a educação artística no centro da cidade de São Paulo”, explica Zago. A região abriga outros espaços culturais da cidade, como o SESC Consolação, o Teatro Cultura Artística e o Centro Universitário Maria Antonia, este último vinculado à USP. “Nosso acordo servirá bem às duas instituições – USP e Catedral Evangélica – e também à população paulistana”, ressaltou o reitor.

O novo órgão, fabricado pela empresa de origem alemã Gerhard Grenzing, possui 3.400 tubos de metal, cinco corpos, onze foles, quatro teclados elétricos com 58 notas e 32 notas de pedais. É o primeiro órgão do Brasil desta marca, que já instalou instrumentos em diversos teatros, catedrais e universidades europeias. “É um órgão eclético, que permite a execução de obras desde o período da Renascença a um repertório contemporâneo”, explica o professor Aquino. 

Cerimônia contou com a apresentação dos professores Luis Afonso Montanha (clarinete) e José Luis de Aquino (piano)

No mesmo dia, a Catedral Evangélica e a Fundação Mary H. Speers assinaram um convênio de cooperação para uso do órgão em projetos socioeducacionais mantidos pela fundação. Para Osni Lima, o instrumento poderá “potencializar o trabalho da fundação” e “proporcionar conhecimento e mudança de vida” para os jovens atendidos pelo projeto Soarte, de incentivo a musica e educação musical, mantido pelo grupo. “E quem sabe, consigamos acender, dentro de alguns, o desejo de seguir carreira”, acredita Lima. 

 

Texto: Verônica Cristo
Fotos: Cecília Bastos