USP é a nona colocada em ranking dos países do BRIC

Na terceira edição do QS University Ranking Brics, publicado dia 8 de julho pela organização britânica de pesquisa em educação Quacquarelli Symonds, a USP é a nona colocada, destacando-se como a única universidade brasileira entre as dez primeiras classificadas. A China lidera o ranking, com sete universidades entre as dez melhores.

O ranking avaliou mais de 500 universidades dos cinco países que compõem o bloco: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Foram utilizados oito indicadores - reputação acadêmica, reputação entre empregadores, proporção entre professores e estudantes, percentual de professores com doutorado, publicações por professor, citações em artigos científicos, quantidade de professores e estudantes estrangeiros.

“Os resultados são convergentes com de outros rankings que revelam que a USP ocupa posição de destaque entre mais de 16 mil universidades do mundo. Além disso, mostra o excelente desempenho em áreas específicas: entre os países dos Brics ocupa a 2ª posição na área de Ciências da Vida e Medicina, e a 4ª posição nas áreas de Ciências Sociais e Administração e de Artes e Humanidades”, afirmou o reitor Marco Antonio Zago ao site da universidade.

Quando considerados apenas alguns quesitos, a posição da USP é ainda mais alta. A universidade foi a 3ª melhor classificada no indicador reputação acadêmica, a 6ª melhor em reputação entre os empregadores e a 7ª melhor em percentual de professores com doutorado.

O Brasil tem nove universidades entre as 50 melhores do ranking: a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) ficou na 12ª posição; a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na 25ª; a Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp) ficou em 27º lugar; a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em 37º; a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em 41º; a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em 42º; a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e a Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) ocupam a 47ª posição.

Com informações do site da USP