Apresentação do Programa de Pós-Graduação em Música

Programa de Pós-Graduação em Música

O Programa de Pós-Graduação em Música caracteriza-se pelo compromisso com a excelência no ensino e na pesquisa, o que se reflete na composição de seu corpo docente, em suas linhas de pesquisa e em suas estruturas curriculares. Tem por objetivo promover estudos musicais inovadores, que incorporem a pesquisa e a prática em vários âmbitos da música nos níveis de mestrado e doutorado. O Programa visa oferecer aos profissionais, docentes e pesquisadores de Música, uma formação que os qualifique a atuar de maneira crítica e reflexiva, com ênfase na especificidade artística da área.

 

Objetivos

 

O Programa de Pós-Graduação em Música da USP tem como objetivos: 

  1. a formação de pessoal qualificado para o exercício das atividades de pesquisa e de docência no ensino superior na área de Música; 
  2. o desenvolvimento de pesquisas que gerem novos conhecimentos; 
  3. o fomento da produção acadêmica (bibliogrática, técnica e artística) em música e suas interfaces.

 

Histórico e contextualização do programa

O Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade de São Paulo foi criado a partir da reformulação e separação dos programas de pós na ECA (Escola de Comunicações e Artes da USP). A partir de 2007, os programas que antes estavam agrupados sob a denominação genérica de “Artes” (trata-se do primeiro curso de pós-graduação em Artes no Brasil, iniciado em 1974, bem como do primeiro doutorado na área, implantado em 1980), se constituíram em programas independentes, a saber: Artes Cênicas, Artes Visuais e Música. Essa reformulação trouxe maior independência e agilidade aos programas e, como consequência, uma maior consistência no conjunto de atividades desenvolvidas no âmbito de cada um deles.

Desde sua criação, o Programa de Pós-Graduação em Música (PPGMUS) tem procurado promover estudos musicais inovadores, aliando a pesquisa acadêmica e a prática artística com a finalidade de gerar novos conhecimentos em música, oferecendo ao corpo discente uma formação que os qualifique a atuar de maneira crítica e inovadora. Assim, o PPGMUS caracteriza-se por um compromisso com a excelência no ensino, na pesquisa, na extensão e na prática artística em seus mais diferentes aspectos.

Entre os anos de 2012-2013 tivemos uma substancial reformulação nas linhas de pesquisa, a fim de melhor adequá-las à atuação artística e acadêmica do corpo docente, criando condições favoráveis para que as pesquisas e os processos de orientação desenvolvidos no Programa pudessem se organizar de forma mais consistente e verticalizada.

 

Áreas de Concentração e Linhas de Pesquisa:

O Programa de Pós-Graduação em Música da ECA-USP está organizado de acordo com duas áreas de concentração - Musicologia e Processos de Criação Musical - as quais, por sua vez, têm como focos de estudos as linhas de pesquisa especificadas a seguir:

 

1 - Área de Concentração: Musicologia

Aborda questões que apontam para conceitos históricos, estéticos e teóricos em seu contexto cultural. Compreendemos a Musicologia num sentido amplo, abrangendo estudos em teoria da música, teoria da composição, análise musical, estética musical, crítica, história da música e etnomusicologia. Assim, entendemos que a área não deve se restringir à música de concerto de tradição ocidental, mas deve abranger também as manifestações de outras culturas musicais, com especial atenção às várias manifestações da música brasileira, campos em que o Departamento de Música da ECA-USP tem historicamente desenvolvido pesquisas consistentes.

A Área de Musicologia está organizada em duas Linhas de Pesquisa: (1a) Teoria e análise musical; (1b) Musicologia e etnomusicologia.

 

Linha de Pesquisa (1a): Teoria e análise musical

As teorias musicais têm sido desenvolvidas e encontram sua expressão prática na análise musical. Tanto a análise quanto a teoria da música estão envolvidas com a compreensão do fenômeno musical, suas implicações e recepção. A teoria cria ferramentas de análise e volta-se para o estudo minucioso e detalhado dos materiais, técnicas e procedimentos composicionais em seus diversos contextos históricos. A análise aborda a constituição e a interrelação dos elementos formativos da música. Nesta linha, a análise pode também ser estudada enquanto resultado de processos históricos, em que a própria concepção analítica passa a ser objeto de investigação.

Orientadores: Adriana Lopes Moreira, Rodolfo Coelho de Souza, Marcos Branda Lacerda, Paulo de Tarso Salles, Sílvia Berg.

 

Linha de Pesquisa (1b): Musicologia e Etnomusicologia

Esta linha tem por objetivo a interpretação da música como produto e construção cultural, o que inclui não apenas o estudo das fontes primárias e audiovisuais dos documentos musicais (a partir da aplicação de diferentes métodos históricos, antropológicos e analíticos, os quais incluem o estudo de manuscritos, filologia e crítica textual, iconografia, crítica genética, semiótica, trabalho etnográfico etc.), mas também o estudo dos problemas envolvidos nas práticas musicais, no âmbito da recepção, nos processos ideológicos dos discursos, bem como na problemática dos trânsitos e hibridações entre as culturas. Envolve também questões estéticas, voltando-se à discussão filosófica, à questão da experiência, à crítica, apreciação, julgamento e valoração da obra de arte musical em seus contextos históricos e antropológicos.

Orientadores: Diósnio Machado Neto, Flávia Toni, Ivan Vilela, Marcos Branda Lacerda, Marcos Câmara de Castro, Mário Videira, Monica Lucas, Pedro Paulo Salles, Susana Igayara.

 

2 - Área de Concentração: Processos de Criação Musical

Busca a investigação, discussão e produção intelectual (artística, bibliográfica e técnica) relacionadas às questões envolvidas nas práticas criativas, composicionais, educacionais e interpretativas bem como aos aspectos técnicos, científicos e tecnológicos das mesmas. Pressupõe o aperfeiçoamento e aprofundamento das habilidades específicas e a reflexão do compositor, do educador e do performer sobre problemas ligados à criação artística, ao repertório, técnicas, estilos, meios de expressão, questões interpretativas e processos educacionais. Abre-se também aos campos interdisciplinares e às relações com as outras áreas artísticas que incluem a utilização de novas tecnologias.

A Área de Processos de Criação Musical está organizada em quatro Linhas de Pesquisa: (2a) Performance; (2b) Questões interpretativas; (2c) Música e educação: processos de criação, ensino e aprendizagem; (2d) Sonologia:criação e produção sonora.

 

Linha de Pesquisa (2a): Performance

Visa o aperfeiçoamento e aprofundamento das habilidades específicas em performance musical. Pressupõe um aperfeiçoamento prático, tendo por finalidade uma formação de excelência em performance musical, além de requerer o desenvolvimento de uma pesquisa escrita com sólido embasamento bibliográfico a respeito das problemáticas envolvidas nesta prática, tais como:  possibilidades analítico-interpretativas do repertório musical, abordagens técnicas instrumentais histórica e fisiologicamente embasadas, aspectos idiomáticos específicos de cada instrumento musical, estilos de interpretação historicamente embasados e meios para a expressão musical. Para tanto, conta com um processo seletivo e uma estrutura curricular específicos, que incluem provas práticas e apresentações musicais públicas. Atualmente o programa conta com orientadores para os candidatos de violão, piano, violino, violoncelo e regência coral.

Orientadores: Amilcar Zani, Edelton Gloeden, Eduardo Monteiro, Eliane Tokeshi, Fábio Presgrave (Colaborador), Fernando Corvisier, Luciana Sayuri, Marco Antonio da Silva Ramos.

 

Linha de Pesquisa (2b): Questões interpretativas

Busca investigar e refletir sobre as questões envolvidas nas práticas interpretativas, bem como sobre os aspectos técnicos e tecnológicos envolvidos nas mesmas. Pressupõe a reflexão téorica do intérprete sobre problemas ligados ao repertório, técnicas, estilos, meios de expressão e questões interpretativas.

Orientadores: Amilcar Zani, Edelton Gloeden, Eduardo Monteiro, Eliane Tokeshi, Fábio Presgrave (Colaborador), Fernando Corvisier, Gil Jardim, Luciana Sayuri, Marco Antonio da Silva Ramos, Susana Igayara.

 

Linha de Pesquisa (2c): Música e educação: processos de criação, ensino e aprendizagem

Pesquisa e estuda as relações entre música e educação em seus múltiplos espaços e possibilidades abordando: a) análise dos processos criativos emergentes, em distintos níveis e contextos pedagógicos; b) processos de percepção, de escuta e cognição musicais; d) práticas e metodologias para o ensino de música; e) pesquisa em educação musical e o dado cultural; f) formação de professores; g) história da educação musical e do ensino artístico-musical.

Orientadores:  Maria Teresa Alencar de Brito, Marcos Câmara de Castro, Pedro Paulo Salles, Silvia Berg.

 

Linha de Pesquisa (2d): Sonologia: criação e produção sonora

Estuda o material acústico em seu vínculo com as produções e atividades musicais, visando abordar problemas relacionados à criação, à percepção, à recepção e à epistemologia. Explora os processos criativos e reflexivos de um repertório voltado para a exploração do som como material para a criação artística. Abrange pesquisas sobre representação, processamento, análise e síntese de som e de informação associada aos múltiplos processos que acontecem em uma situação musical, além de estudos realizados de uma perspectiva cultural ou crítica de desenvolvimentos criativos relacionados ao som e que impliquem mudanças nas técnicas de produção, reprodução, armazenamento, manipulação e recepção. Algumas especialidades estreitamente ligadas a esta subárea: Extração e Processamento de Informação Musical; Música Eletroacústica; Improvisação contemporânea, Sound Design; Sistemas Interativos; Luteria Acústica; Organologia; Luteria Eletrônica e Computacional.

Orientadores: Cesar Villavicencio (colaborador), Fernando Iazzetta, Heloisa Valente (colaboradora), Regis Rossi A. Faria, Rogério Costa, Rodolfo Coelho, Silvio Ferraz.

 

Notícias