Na pandemia, empresa júnior da ECA acelera inserção digital e amplia leque de clientes e parceiros

Com o cancelamento de aulas e eventos universitários presenciais, ECA Jr. dá ênfase à oferta de serviços de comunicação digital a micro e pequenas empresas

 

Como outras empresas de comunicação, a Agência de Comunicação ECA Jr. precisou se adaptar às barreiras impostas pelo distanciamento social causado pela pandemia no primeiro semestre de 2020. A medida instaurada pela maioria das empresas foi o home office. Para a ECA Jr., esse formato já era uma opção para seus membros - que podiam optar pelo trabalho remoto três dias por mês - mas tornou-se exclusivo a partir de 17 de março de 2020, em conformidade com a suspensão de aulas presenciais na USP. 

De lá para cá, a ECA Jr. passou por novo processo seletivo, como acontece todos os anos e mudou completamente os seus integrantes, em sua maioria, calouros dos cursos de Relações Públicas, Publicidade e Propaganda e Turismo. 

O LAC - Laboratório Agência de Comunicação conversou com a gestão da ECA Jr., que falou sobre o atual momento da empresa júnior, os desafios da pandemia e os projetos para 2021.

 

Os desafios do home office

A atual gestão da ECA Jr. teve início em julho do ano passado, já em meio à pandemia e, durante dois meses, passou por um período de transição em que trabalhava junto com a gestão anterior. A ideia de cogestão - que já era uma prática na ECA Jr. - auxiliou a nova equipe a conhecer as diversas áreas de atuação dentro da empresa júnior e, ao mesmo tempo, preparar o grupo para os doze meses seguintes. 

Logo no início da gestão, cinco diretores optaram por deixar a equipe, que atualmente conta com 17 pessoas, divididas entre as diretorias administrativa, diretoria de criação e produção, diretoria de planejamento e redação, diretoria de relações públicas e diretoria de turismo. A saída de cinco integrantes da gestão é encarada como natural pelo grupo, dada a mudança brusca de cenário, que obrigou os alunos a reverem suas rotinas e prioridades durante a pandemia.

Os desafios apontados pela empresa júnior não são tão diferentes daqueles relatados por outras empresas durante a pandemia: a mistura entre vida pessoal e profissional e o maior tempo dedicado à empresa do que o esperado. Com uma ressalva, aponta Leonardo David Cruz, diretor de projetos e qualidade da ECA Jr.: “Uma coisa que o estágio não leva em conta, que é o final do semestre, a empresa júnior acaba levando em consideração. Afinal, a gente tem que valorizar a nossa graduação”.

Com o pouco tempo de aulas presenciais na USP, uma das preocupações da ECA Jr. foi justamente o entrosamento da equipe. Leonardo Mizok, atual presidente da ECA Jr., chama atenção para um aspecto do isolamento social que vai além do isolamento físico, decorrente da frequência de contatos formais através de e-mails, causando a perda de conversas casuais do cotidiano com colegas e amigos. 

Para ajudar o grupo de juniores, a ECA Jr. criou a Web Sala 2, uma sala virtual permanente que fica disponível para toda a equipe, que pode utilizá-la livremente para interagir entre si. As pessoas podem entrar diariamente e simular a rotina da agência em que todos dividem a mesma sala, a Sala 2, no Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo (CRP). “Isso fez com que a gente voltasse a conversar e não ficasse só preso a mensagens, e-mails e coisas do tipo”, disse Leo Mizok. Além disso, a agência conta com o apoio de uma psicóloga especializada em empresas juniores.

Gabriel de Luca, Leonardo David e Leo Mizok falam sobre o trabalho na ECA Jr. na pandemia:

 

 

Um novo cenário: menos festas, mais projetos​

Gabriel de Luca, diretor de mídias e comunicação, explica que enquanto a gestão anterior passou pelo difícil processo de adaptação ao trabalho remoto, coube à gestão atual repensar as atividades da empresa júnior durante a pandemia. Longe dos prédios da ECA, a vertente empresarial voltada para a realização de serviços e parcerias institucionais ganhou destaque, em detrimento da imagem de entidade estudantil construída a partir dos eventos e festas universitárias que a ECA Jr. organiza. 

Durante a pandemia, o contato com clientes e parceiros institucionais se fortaleceu. “A gente conseguiu realizar tanto serviços para micros e pequenos empreendedores, que fizeram toda a diferença no negócio deles, quanto negociar com grandes empresas para parcerias institucionais”, conta Gabriel. “O nosso leque ficou mais variado, a gente conseguiu atingir mais pessoas e, assim, ter um impacto maior socialmente”. Os atuais clientes da ECA Jr. são, sobretudo, pequenos negócios que, durante a pandemia, tiveram que reforçar a sua comunicação digital. 

Soma-se a isso a maior presença da agência nas redes sociais e a realização de reuniões por meio de plataformas digitais, que possibilitou o contato com clientes de diferentes regiões do país, algo que dificilmente aconteceria com a rotina de reuniões presenciais. A ECA Jr. viu sua produtividade crescer, passando a desenvolver projetos para clientes de fora de São Paulo: “Ver como essa cultura empresarial muda de estado para estado foi um aprendizado muito bacana”, disse Leonardo Mizok.

Sem acesso aos documentos relativos a projetos anteriores da agência, que ficaram guardados no CRP, a atual gestão criou uma versão on-line da Cartilha de Serviços da ECA Jr.. “Existem alguns documentos na nossa salinha 2, mas de fato não tínhamos um documento on-line que explicitasse todos os nossos serviços”, explica Leonardo David. Para criar o documento, foi necessário reestruturar diversos processos internos da agência, o que também ajudou a gestão a organizar os trabalhos durante a pandemia. 

A reestruturação da cartilha de serviços e a criação de uma newsletter direcionada ao corpo docente e aos funcionários e funcionárias do CRP contribuíram para um melhor entendimento do que é a empresa júnior. Meio entidade estudantil, meio empresa, a atual gestão da ECA Jr. quer mostrar que é possível conciliar estes dois papéis: o de estudantes que organizam eventos para a comunidade universitária e o de jovens profissionais que prestam serviços de comunicação a clientes reais. “Eu acredito que daqui pra frente, após a pandemia, essa percepção vai mudar bastante e as próximas gestões vão ter menos medo de se afirmar como empresário junior”, acredita Gabriel. 

Com a consolidação do posicionamento empresarial da ECA Jr. durante a pandemia, a agência compreende que sua atuação está voltada para a oferta de serviços acessíveis e de qualidade a pequenas empresas, além de promover o desenvolvimento crítico, de confiança, trabalho em equipe e liderança de cada integrante, dentro de uma cultura empresarial que se dedica à criação de ideias inovadoras.

 

Equipe da ECA Jr. Foto: Divulgação/ECA Jr..

 

O que vem por aí

Para 2021, a ECA Jr. retorna aos eventos acadêmicos, a começar pela Semana de Recepção aos Calouros. No dia 8 de maio, acontece o 53º Café Acadêmico, que será gravado em estúdio e transmitido ao público pela internet. Outros eventos são a Júnior Apresenta, para potenciais novos diretores e, no segundo semestre, a Matraca - Feira de Recrutamento. Além disso, a ECA Jr. irá preparar um evento pelos 30 anos da agência, comemorados no dia 13 de agosto.

Mesmo após a pandemia, a ECA Jr. considera a possibilidade de manter reuniões remotas com clientes, o que reduz custos com transporte. Além disso, toda a gestão do andamento dos projetos - que ainda era feita em lousa e papel - deve migrar em definitivo para o digital.

A produção de conteúdo mais frequente nas redes sociais também será mantida após o retorno das atividades presenciais. Antes da pandemia, as publicações eram restritas a informações sobre eventos e festas para o público universitário. A proposta agora é também dar visibilidade aos serviços e projetos executados pela agência aos clientes. “Agora a gente entrou em um momento que tudo virou digital. Então, se você não está no digital, se você não se posiciona comunicacionalmente forte no digital, você não existe”, diz Gabriel.

Quer saber mais sobre a ECA Jr.? Acesse o site da agência e conheça os seus principais projetos.

 

Texto: Natália Milena e Verônica Cristo
Foto de capa: Divulgação / ECA Jr.